quinta-feira, 4 de julho de 2019

AUTOCUNILÍNGUA E AUTOFELAÇÃO



Numa postagem anterior – O EROTISMO JOCOSO DO SÉCULO DE OURO ESPANHOL –, publicamos um poema engraçado em que se conta a história de uma mulher que, estando à beira d’água, quis ver a própria vagina, já que ela lhe dava tanto prazer. E gostou tanto do que viu, que tentou dar-lhe um beijo. Agachou-se tanto para fazer isso, que caiu na água. 


O que tentou a dama espanhola foi fazer o que se chama AUTOCUNILÍNGUA, isto é, o ato de uma mulher conseguir atingir com a boca a própria boceta. No entanto, segundo especialistas, isso é uma das coisas mais difíceis de ser conseguida. Não há, mesmo, registro de que tal façanha tenha sido bem-sucedida. Todas as fotos e vídeos que rolam pela internet beiram a montagem ou a truques. E não se aconselha que qualquer mulher tente fazer, mesmo as mais flexíveis. 


Já com relação aos homens, a AUTOFELAÇÃO, isto é, a capacidade de chupar o próprio pênis, segundo minhas pesquisas, pode ocorrer com cerca de 3% dos homens, desde que sejam magros e extremamente flexíveis e depois de muito treino e esforço. Um pau de tamanho maior também ajudaria. 



Aqui vão algumas dicas, precauções e observações para quem quiser tentar masturbar com a boca o próprio pau, mas advertimos que isso só deve ser tentado com muito, muito cuidado e, se perceber que há algum desconforto, desista, que você não está entre aqueles que têm a possibilidade de chegar lá: 



1. Repetimos: a maioria dos homens não tem capacidades físicas para realizar a autofelação. Mas, se quiser tentar, pode levar algum tempo para atingir a posição adequada. 



2. Se houver desconforto, deve-se relaxar e voltar a uma posição de descanso e, se sentir dor, parar imediatamente, caso contrário poderá ter lesões. Não forçar nunca a situação. 



3. Se as tentativas de autofelação originarem lesões repetidamente é sinal que não se deve continuar a magoar-se e evitar danos maiores. No caso de lesão, procurar um médico é o mais aconselhável. 


4. Dores devidas a estiramentos durante a autofelação podem aparecer imediatamente ou nas seis horas seguintes. Usualmente localizam-se nos músculos ou tendões das costas ou da espinha dorsal. 

5. Como ato solitário que é, a auto-felação não está relacionada com a orientação sexual podendo ser realizada por homens homossexuais ou heterossexuais. 



6. Segundo Kinsey, três em cada mil homens seriam capazes de realizar a performance de autofelação, mas somente 1% dos homens consegue tal façanha. 


7. Ainda de acordo com Kinsey, 3 em cada 10.000 homens seriam capazes de praticar a autopenetração, inserindo o pênis no próprio ânus; ele ainda menciona que algumas pessoas afirmam que existem referências à auto felação no antigo Egito. Arqueólogos encontraram hieróglifos e antigas pinturas retratando homens sugando seus próprios pênis. 


8. O acadêmico americano David Lorton menciona que encontrou muitos textos religiosos da mitologia egípcia onde a prática da autofelação é mencionada e considerada sagrada. Segundo referência encontrada nesses escritos, Rá, o deus do Sol, teria criado o deus Shu e a deusa Tefnut (irmã gémea de Shu) ao ter soltado o próprio sêmen no solo depois de ter praticado a autofelação. Rituais de autofelação eram aparentemente realizados em honra ao nascimento de Shu e Tefnut. Mas isso tudo é muito controverso. 


9. Outra teoria, também controversa, sugere que Horus, o filho do deus Osíris, praticava autofelação todas as noites, porque acreditava que, ao ingerir o próprio sêmen, mantinha as estrelas no seu devido lugar. 



10. Enquanto alguns teóricos afirmam que a autofelação era considerada parte normal da vida egípcia, há mais de quatro mil anos, tal prática, na atualidade, tem sido amplamente reprimida, devido ao seu carácter desviante e ousado. Muitas das pinturas em que retratavam o ato da autofelação foram deliberadamente destruídas e consideradas demoníacas graças à repressão vitoriana.