segunda-feira, 28 de maio de 2018

NATURISMO E SEXO - 1: TUDO MUITO CLARO E PRECISO



Naturismo: se a ausência de roupas não tem nada a ver com sexo, então por que publicar, num blog de sexo, temas relacionados a esse assunto? Expliquemos: Lua Quebrada é, sim, um espaço dedicado ao sexo, ou, bem mais especificamente, à educação para o erotismo. Discutem-se todos os assuntos que ajudem as pessoas a se libertar de preconceitos ou de conceitos errados em relação ao sexo. Isso inclui, portanto, e talvez principalmente, respeito. E nada melhor do que o naturismo para nos dar boas lições de respeito ao ser humano, à vida e à natureza. Assim, voltamos a tratar do tema, porque, bem, porque falar de gente nua e ver fotos de gente nua liberta nossos instintos e nos deixa mais próximos de uma vida sexual mais saudável. 


NATURISMO NÃO É SEXO. 

CONHEÇA UM POUCO MAIS DA CULTURA 



Encontros de homens e mulheres nus se divertindo à beira da piscina ou tomando sol numa praia paradisíaca não passam de justificativas para o sexo descompromissado, podem pensar os mais desavisados. Porém, os naturistas garantem que este conceito não poderia ser mais equivocado. A prática, segundo eles, vai muito além da nudez e não tem nada a ver com sexo. 


O naturismo é um conjunto de princípios éticos e comportamentais que preconizam um modo de vida baseado no retorno à natureza como a melhor maneira de viver e defendendo a vida ao ar livre, o consumo de alimentos naturais e a prática do nudismo, entre outras atitudes. A filosofia naturista prega a nudez social sem agredir o outro, em contato com a natureza, respeitando ao próximo, a si mesmo e ao meio ambiente. Ela vai além da nudez e despe, também, dos preconceitos e amarras sociais. 


Esse hábito teve início na Idade Antiga, d o século II até o final do IV, os romanos, banhavam-se comunalmente nus em banhos públicos. Na Grécia antiga era comum a prática de esportes ocorrer sem nenhuma peça de roupa. Algum do sentido de pudor que hoje vemos disseminado na sociedade moderna foi essencialmente legado que as religiões nos deixaram ao longo dos tempos. 



Viver em harmonia com a sociedade e a natureza é justamente a forma como os adeptos aplicam o naturismo em suas rotinas. A nudez fica restrita aos encontros e dentro de casa. Já o ato exclusivo de se despir traz outros benefícios, segundo os naturistas, como uma melhor aceitação do próprio corpo. 


A reclamação dos naturistas é que há poucos lugares disponíveis para a prática. No Brasil, há aproximadamente 30, de acordo com o Brasil Naturista. Mas esta reivindicação, somada ao fato de encararem a nudez com tanta naturalidade, não quer dizer que os praticantes queiram andar pelados em qualquer lugar. 



A outra pessoa tem o direito de não querer te ver nua, então, seria em partes específicas do parque com placas avisando. Naturista que é naturista sabe se respeitar e respeitar os outros. 


FEDERAÇÃO NATURISTA VETA PRAIA 

POR SEXO ENTRE HOMENS 


Embora tenha sido uma decisão polêmica, a praia João D’Aréns, em Portimão, Portugal foi vetada como Praia Naturista por parte da própria Federação Portuguesa de Naturismo indicando que "embora a praia em questão apresente uma beleza indiscutível tem frequência nada saudável em termos naturistas e é de há muitos anos conhecida como uma praia onde a prática de actividades que não se coadunam com o espírito naturista é comum e habitual”. 


A publicação refere que a praia seria um local de sedução entre homens (algo que o Clube Naturista do Algarve desmente, o que ocasionou a polêmica), mas reflete bem a disposição de órgãos naturistas tentarem preservar a distinção clara entre a cultura naturista de distanciamento das questões sexuais e outras culturas mais hedonistas, ou voltadas para a prática de sexo livre em determinados territórios. 



Rui Martins, presidente da Federação Portuguesa de Naturismo, justifica-se indicando que “aquilo é uma praia de utilização tudo menos familiar e, portanto, nós não gostamos muito de misturar o naturismo nem gostamos que o naturismo esteja misturado com outras práticas que não temos nada a ver com elas”. E completa: "uma praia que é utilizada para práticas sexuais para nós não é uma praia com espírito familiar, nem com espírito naturista”. 





Fontes: 





segunda-feira, 21 de maio de 2018

SEXO A TRÊS: DESVENDANDO A DUPLA PENETRAÇÃO – 2: SE TEM VONTADE, SE JOGUE!




Se você leu o post anterior sobre esse assunto, já sabe que é viável, que pode ser muito prazeroso. Sem traumas. Sem preconceitos. Afinal, se os homens sonham – e muitos a realizam – com a fantasia do sexo com duas ou mais mulheres, por que as mulheres também não podem ter suas fantasias realizadas? 


O texto abaixo não esgota o assunto, claro. Mas pode não só atiçar a vontade, como fazer você entender que não há nada de pecaminoso ou de extremamente sacana na realização de uma fantasia. As dicas estão aí, aproveite-as. Uma observação, ou uma dica, antes: é preciso gostar de sexo anal. Se você não curte ou tem dificuldades com penetração anal, pense muito bem antes de tentar o sexo com dois homens. 



As fotos que ilustram o texto podem até incentivar, mas lembre-se: são fotos de profissionais. A realidade pode ser um pouco diferente, e até melhor. E mais um molho: acrescentei o humor do ilustrador JULIUS ZIMMERMANN, com suas mulheres peitudas, quase inocentes, às voltas com o prazer de paus imensos de seres estranhos e nem sempre muito humanos. Divirta-se: 


DUPLA PENETRAÇÃO NÃO PRECISA DOER 

E PODE SER MUITO BOM! 

THAYANNE PORTO 




Um fetiche bastante comum mas pouco discutido é a dupla penetração, em que a mulher é penetrada pela vagina e ânus ao mesmo tempo. É bem comum nos filmes pornôs, que passam a sensação de que é tudo muito fácil e lindo. Spoiler alert: não é. Fazer DP requer tempo e paciência. Mas também não é muito difícil e nem precisa ser doloroso; ao contrário, pode ser uma experiência bastante prazerosa. Quer saber como? Então continua lendo. 

Ao contrário do que muitas pessoas pensam (e o que os pornôs da vida mostram), você não precisa de dois homens para fazer uma dupla penetração; se quiser, pode fazer até mesmo sozinha. A DP pode rolar com você e brinquedos próprios para isso, você com seu parceiro ou parceira + um brinquedo, ou você + duas pessoas. Escolha o que te deixa mais confortável, minha única recomendação é você testar sozinha ou com uma pessoa antes de ir para o “modo difícil”, que é com outras duas pessoas. Assim, você entende seu ritmo e quais são as melhores posições, o que encaixa bem e quais serão suas necessidades na hora H. 


Se você optar pelos brinquedos, fique bem atenta ao material. Existem vários produtos específicos para isso e eu sugiro que vocês optem pelos que são feitos de silicone. O material é mais suave, apresenta pouca restrição (lembrem-se sempre de ler a caixa antes de usar!) e trabalha muito bem com lubrificantes. Se você nunca viu um plug anal, vá até um sexshop. Assim, você vai saber o que esperar e vai ter uma noção melhor dos diferentes modelos e tamanhos, para então comprar o que melhor funciona para você. 


SE JOGUEM NO LUBRIFICANTE, principalmente na hora do sexo anal. Ao contrário da vagina, o ânus não tem lubrificação própria. Sem ela, fica muito mais difícil colocar qualquer coisa na parte de trás e a dor que vocês vão sentir pode fazer com que vocês desistam. 



Dê preferência para aqueles à base de água e fuja do óleo de coco, que caiu no gosto de muitas meninas pelas suas mil e uma utilidades. Na hora do sexo, ele reage com o látex da camisinha, podendo rasgar o material. Também corra dos géis anestésicos, que dizem que você não vai sentir dor nenhuma na hora. Sim, a promessa é incrível, mas não se deixe enganar: ele funciona como uma injeção anestésica local e retira a sensibilidade; então, se você se machucar durante o ato, não vai sentir e essas feridas podem inflamar com o passar do tempo. 


Vamos com calma. Dupla penetração não significa fazer tudo ao mesmo tempo. Para conseguir a dilatação necessária e um prazer ainda maior é recomendável que você penetre um orifício por vez, começando pela vagina. Enquanto isso, estimule o clitóris (falamos sobre ele no próximo tópico), o que vai te ajudar a ficar mais excitada. Então pare e parta para o sexo anal, para dilatar a região e, assim, preparar seu corpinho para a dupla penetração. 



Eu falo muito sério quando digo para vocês irem com calma. A experiência pode ser bastante prazerosa, mas isso não vai acontecer se vocês estiverem correndo. Se não for com delicadeza, devagarzinho, você pode sentir muita dor e ter a sensação oposta da desejada. Se você optar por fazer com duas pessoas, a primeira penetração deve ser feita por quem está por baixo; depois que ele ou ela estiver devidamente acomodado, a pessoa de cima pode entrar na brincadeira. 




O clitóris é o melhor amigo da mulher, é a única parte do corpo humano que é totalmente voltada para o prazer. Ele está ali para te fazer feliz – e você deve aproveitar isso ao máximo. Só tenha cuidado: masturbação muito violenta e o uso indiscriminado de vibradores pode diminuir a sensibilidade do clitóris, dificultando o prazer e o orgasmo. 


Por que eu estou falando do clitóris em um post sobre dupla penetração? Muito simples, mocinha. É normal ficar tensa na hora da DP e um bom estímulo nessa região pode te deixar bem mais tranquila. Existem vibradores feitos especialmente para o clitóris, que são menores e não atrapalham a penetração. Clitóris estimulado, maiores níveis de excitação. Dessa forma, você fica mais relaxada e mais lubrificada, o que facilita a entrada do pênis. 


O resto vocês já sabem. Sei que a ideia assusta muitas mocinhas, mas algumas têm essa fantasia – então por que não colocá-la em prática? Fazendo tudo com calma, com bastante lubrificante à disposição, são poucas as chances de as coisas darem errado. Eu realmente sugiro a vocês comprarem vibradores duplos, para já terem noção de como vai ser antes de experimentarem com uma ou duas pessoas. Não vou mentir: na maioria das vezes, não é fácil e dificilmente vai ser super mega prazeroso de primeira. Mas, se vocês quiserem de verdade, o segredo é continuar tentando. 






Fonte: 


abril 24, 2017

segunda-feira, 14 de maio de 2018

SEXO SELVAGEM: MITO OU REALIDADE? ALGUMAS DICAS



Sempre me intrigou esta expressão: “sexo selvagem”. O que é isso? Sexo feito na selva? Sexo feito por selvagens? Nada disso, no entanto, aparece nas matérias que li ou que vi por aí: sexo selvagem nada mais é do que um sexo mais intenso.


Sexo intenso? Bem, também esse termo não convence ninguém: o que é um sexo intenso? Como definir intensidade? O que fazer para que um ato sexual ganhe “intensidade”? Tudo isso é muito subjetivo, o que nos faz pensar que a expressão “sexo selvagem” seja mais uma criação da indústria pornô, sempre pródiga em inventar rótulos que vendem. Uma jogada de marketing, portanto.


Por muito tempo, deixei de lado a expressão, já que não havia obtido nada de muito concreto na rede sobre esse assunto: só filmes pornográficos que se diziam de “sexo selvagem”, mas que nos mostravam apenas algo mecânico, um casal fingindo trepar como loucos, com atitudes que beiram a violência.



Voltei, no entanto, ao tema, agora, para tentar desvendá-lo. Ou, pelo menos, lançar um pouco mais de entendimento sobre o que se poderia chamar de sexo selvagem. E já encontrei mais alguns artigos e discussões que lançaram luzes sobre o tema.


Não é possível conceituar muito bem o tal “sexo selvagem”, mas é algo que está no limite entre aquilo que todos fazem e o sexo que todos conhecemos como BDSM, ou seja, um grau acima do “normal” (se é que é possível determinar o que é normal, em se tratando de sexualidade) e um grau abaixo dos arroubos fetichistas do sadismo e masoquismo, cujos praticantes obtêm prazer com a dor ou o sofrimento consentido de ambos ou de uma das partes.


Talvez possamos dizer que “sexo selvagem seja aquele em que dois seres humanos se lançam ambos um sobre o outro, num grau máximo de excitação, dispostos a ultrapassar certos limites do permissível, para obter prazer, sem chegar à dor ou a colocar em risco a integridade física um do outro, ou seja, sem chegar à violência que deixe marcas indeléveis ou causem sofrimento”.


Alguns acham que isso seja um mito, uma invenção. Outros dizem que a simples ideia de um sexo selvagem é contra a natureza humana. Que não deve nem mesmo ser considerado como sugestão de conduta erótica diferenciada. De qualquer modo, eu acredito que se pode, sim, incrementar uma relação sexual com um tempero, digamos, mais forte, mais excitante, como quando se põe um pouco mais de pimenta no churrasco.


Que se chame a isso de “sexo selvagem” ou de outra coisa qualquer é irrelevante. E como o termo é chamativo e interessante, fiquemos com ele, por falta de outro. Assim, se você e sua parceira ou sua parceira e você (vamos tratar, aqui, do sexo entre hétero, homem x mulher ou mulher x homem, que outras searas ainda são meio nebulosas quando se trata desse assunto) tiverem aquele surto de tesão um pelo outro e quiserem – de comum acordo – incrementar uma sessão de sexo, aí vão algumas dicas (voltaremos ao assunto, num outro post):



9 DICAS PARA TER O MELHOR SEXO SELVAGEM



Relacionamento bom é aquele que a gente se sente a vontade pra tudo, inclusive experimentar coisas novas na transa para apimentar a relação. Além do sexo casual, romântico e da famosa rapidinha, existem pessoas que adoram uma transa mais forte, ou melhor dizendo, selvagem. Você já experimentou? Se ainda não, mas tem vontade, que tal dar uma lida nestas dicas? 


1. Experimente alguns objetos de sex shop, os preferidos são os chicotes e as algemas.


2. O sexo selvagem é praticamente sinônimo de um sexo mais agressivo, então vale puxar o cabelo, dar um tapas e mordidas.


3. Vendas são ótimas para estimular os sentidos.


4. A posição cachorrinho, mais conhecida como ''de quatro'', é uma das melhores para o sexo selvagem, mas muitas outras podem ser tentadas.


5. Muitas pessoas curtem que o parceiro ou a parceira use nomes abusivos durante o sexo, mas vai com calma. Às vezes é melhor conversar e ver se isso é ok pra não acabar saindo do controle do casal.


6. Sexo selvagem é melhor ainda em momentos inesperados. Naqueles em que se pensou que fosse não rolar nada e o tesão aflora de repente, para ambos.


7. Durante o sexo, explore diversos lugares da casa, desde a cama até o chão e a cozinha.


1. Ter um parceiro submisso durante o sexo acaba aumentando o tesão. A questão é decidir quem será domado durante a transa.


2. Uma boa é realizar os desejos sexuais durante este momento, fazer pedidos para a parceira ou parceiro, por exemplo: me bate, me morde, me aperta, etc...





Fontes: