segunda-feira, 29 de janeiro de 2018

CAPÔ DE FUSCA, BOCETA GRANDE, MUITO GRANDE... E AÍ? VAI ENCARAR?





Assim como os homens têm paus grandes, acima da média, também as mulheres podem ter bocetas avantajadas, maiores na aparência do que é normal se esperar de uma boceta. E, claro, chamam a atenção. Há homens que gostam e há homens que não gostam. Enfim, há gosto para tudo. 


E não se está falando da profundidade ou tamanho da vagina, mas da aparência da xoxota, que pode, muitas vezes, deixar algumas pessoas assustadas ou ainda mais excitadas, diante de uma boceta fora dos padrões. Que é o assunto desse post: bocetas acima da média de tamanho.


Quando fiz a pesquisa sobre o assunto, encontrei muito pouco material a respeito. Parece que há um certo pudor das mulheres, quando se trata desse assunto. No entanto, encontrei uma história bastante interessante – não importa se verdadeira ou não – que pode bem dar uma ideia do que seja, para uma mulher, possuir uma boceta que chame a atenção pelo seu tamanho. Assim, leia a narrativa, acredite nela – ou não – mas se divirta tanto com a história quanto com as fotos que ilustram a matéria:


COMO É GRANDE A MINHA BUCETA!

CRISTINA



Primeiramente, gostaria de me apresentar: me chamo Cristina, 22 anos, universitária. Sou morena-clara, bronzeada, olhos esverdeados, 1,72 cm de altura, 52 kg. Dizem, inclusive as minhas amigas, que sou muito bonita. Tenho as pernas longas e lisinhas e um bumbum arrebitado que se destaca pela minha cintura bem marcada. Meus seios são grandes, levemente caídos com o bico saliente que deixa a blusa bem marcada, especialmemente quando estou excitada.


Mas tenho um segredo que preciso revelar para vocês: tenho uma buceta enorme que se destaca ainda mais no meu corpo, pois meu bumbum é arrebitado e existe um espaço grande (cerca de quadro dedos) entre as pernas. Minha xoxota possui os grandes lábios exageradamente salientes e estufados, fazendo um volume inacreditável. Já fui em vários ginecologistas e todos afirmaram nunca terem visto uma buceta tão grande e saliente. Segundo alguns especialistas, casos assim são raros e se trata de uma distorção genética. Para vocês terem uma ideia exata, minha perereca não cabe na palma de uma mão fechada, parecendo muito com uma frente de Fusca.


Para mim é um transtorno muito grande quando vou à academia de ginástica, ou mesmo à piscina ou à praia. O volume que minha buceta faz na calcinha é algo anormal e chama a atenção de todo mundo. Uma vez, na academia, como estava vestida com um shortinho de lycra, uma colega perguntou se eu não achava desconfortável fazer ginástica no período da menstruação. Para ela, eu estava usando um absorvente tamanho o volume da perereca. Tive que explicar que não estava menstruada e aquela saliência toda era porque minha perereca era muito grande e gorda. Ela só acreditou quando mostrei a minha buceta enquanto tomávamos a ducha no vestiário. 


Minha colega ficou impressionada e perguntou se os meus namorados não achavam feio. Um pouco envergonhada, contei que um ex-namorado quando viu minha xoxota pela primeira vez disse que daquele tamanho ele só tinha visto em vaca e égua o que na época me magoou bastante, deixando-me bastante complexada. Expliquei que, durante muito tempo, só transava no escuro para que não percebessem a saliência exagerada. Mas, tudo mudou até que um fato aconteceu na minha vida. Relatei, então, à minha amiga, minha história.


Apesar de me sentir infeliz com com o meu problema, não conseguia usar calcinhas grandes e jeans folgados. Adoro calças de malha e mini tangas para realçar a cintura. Vestida assim, sinto-me mais bonita e feminina. Durante minhas caminhadas pelo calçadão da praia, não tinha um homem sequer que, depois de “medir” meu rosto e meus seios, não levava um susto tremendo quando avistava aquele monte enorme entre minhas pernas. Alguns chegavam a fazer piadinhas grosseiras tipo “ô vaca”, “que bucetão”, “precisa de muita vara para comer uma perereca dessa”... Apesar do constrangimento, prefiria não dar confiança aos comentários e continuava a usar minhas tanguinhas e meus shorts colantes.


Um belo dia de sol, como fazia os todos os fins-de-semana, saí de casa para fazer uma caminhada pela praia. Nesse dia, estava me sentindo deprimida com a minha situação e pensava seriamente em procurar um desses médicos especialistas em cirurgia de genitais para receber uma orientação. Já tinha visto em algumas reportagens na televisão que é possível diminuir o tamanho da xoxota através de uma cirurgia. Enquanto andava, percebia os olhares indiscretos e até mesmo comentários maliciosos a respeito do tamanho da minha xana. Sentia-me cada vez mais triste.


Foi aí que minha vida mudou totalmente. Depois de caminhar durante uma hora seguida, resolvi tomar um pouco se sol. Parei no ponto que mais gosto da praia. Ali o movimento de banhistas era menor e não havia qualquer espécie de comércio na calçada. Este local é considerado deserto para muito frequentadores da região, pois possui grandes dunas de areia e uma vegetação bastante densa.


Tirei meu trainning de malha e fiquei só de biquíni. Um modelinho amarelo, bem cavado com lacinhos na lateral. Era o meu preferido, porque era bem provocante e me deixava bem bonita. Nesse dia, estava mais excitada que de costume, talvez porque já se passava quase um ano que não transava. Como não estava namorando, não costumava ir para a cama com simples paqueras. No fundo, sou uma garota tímida.


Não estava me aguentando de tesão. Minha buceta ardia de desejo e para complicar parece que tinha aumentado de tamanho. Estava uma coisa indecente de tão grande e saliente. A calcinha não conseguia cobri-la toda e dava para ver as laterias dos grandes lábios da minha perereca. Mas como estava em um ponto da praia onde havia pouquíssima gente, não me importei com a situação. Mas o tesão aumentava cada vez mais. Resolvi então entrar no mar para esfriar o corpo e a mente.


Depois de alguns mergulhos, percebi um rapaz me observando atentamente. Estava sozinho sentado na areia. Devia ter uns 35 anos e tinha um olhar que me deixava encabulada. Apesar de seus olhares fulminantes, não fiquei irritada. Não sei por que, mas senti uma forte atração por ele. Não era nenhum desses carinhas bonitinhos que fica exibindo seus músculos para todas as garotas e que não sabe tratar um mulher com carinho e gentileza. Não sei por que, passava para mim a impressão de uma pessoa sensível e educada.


Quase que seduzida por ele, resolvi extravazar minha sensualidade. Voltei para o ponto onde deixara minha toalha. Ao mesmo tempo que balançava meus longos cabelos para tirar o excesso de água, inclinava meu corpo para frente como se estivesse procurando algo na areia. Nesse instante minha perereca quase pulou para fora da tanguinha do biquini. Tive que acomodá-la com os dedos, porque o clima de excitação a deixara ainda maior e por pouco não ficaria completamente nua. Mesmo assim fazia questão de deixar em destaque aquele monte no meio da minha bundinha. Já sentia parte da calcinha entrar na minha racha.


Deitei de costas para me bronzear e fiquei pensando na imagem daquele desconhecido me observando. Estava morrendo de vontade de chamá-lo para conversar, mas fiquei receosa que ele pensasse que eu era uma vagabunda qualquer, principalmente depois de ter oferecido tantos lances da minha buceta.


Neste instante, senti uma sombra se aproximar. Quando abri os olhos: era ele. Meu coração disparou e uma onda de calor tomou conta de todo o meu corpo. Ele então disse – Oi - que eu respondi quase sem voz. Não sei se de medo ou de desejo. Alguma coisa naquele homem me tirava o fôlego.


Ele, então, perguntou se podia sentar ao meu lado, explicando que era muito ruim ficar sozinho sem ter ninguém para conversar. Imediatamente respondi que sim. Perguntou se constumava vir muito àquele ponto da praia, pois nunca tinha me visto ali. Segundo ele, gatinhas como eu preferiam os pontos mais agitados da praia. Respondi que também gostava de lugares mais tranquilos.



Enquanto conversávamos, percebia claramente seus olhares para a minha buceta. Por mais que tentasse disfarçar, seus olhos deslizavam pelo meu corpo e caíam direto na minha perereca. Pela primeira vez, não fiquei com raiva por alguém me observar tão intimamente.


Nunca tinha conversado com um rapaz tão inteligente e educado. Ele era diferente dos meus amigos. Quando mais nos conhecíamos, mais crescia minha excitação. Seu jeito de falar e pensar me deixavam completamente hipnotizada.


Como o sol estava muito forte, pedi que passasse um pouco de protetor solar em mim. Deitei de costas, enquanto suas mãos deslizavam suavemente pelo meu corpo. Um prazer enorme invadia o meu ser quando ele esbarrava levemente os dedos na minha buceta. Quanto mais creme passava mais se aproximava e relava na minha xoxota.


Foi aí que, não sei como, virei e perguntei a ele se não achava a minha perereca grande demais. Contei que aquele volume todo me deixava constrangida. Quase não acreditei quando ele respondeu que a parte mais sexy de uma garota era exatamente a xoxota e que, para ele, quanto maior mais tesão ele sentia. Nessa hora, um desejo como nunca sentira por homem nenhum contaminou todo o meu corpo. Minha buceta latejava e pela primeira vez na minha vida senti vontade de dar para um desconhecido. Ele então completou dizendo que nunca tinha visto uma garota com uma perereca tão volumosa e desde que me viu não conseguia tirar os olhos de mim. Peguntou se ela sempre fora grande assim. Respondi que, desde os 13 anos, percebi que ela estava ficando maior do que a das outras garotas. Nos vestiários, as meninas riam de mim e ficavam dizendo que aquilo tudo não era normal em uma mulher.


Perguntou se podia tocá-la. Antes que eu respondesse, sua mão começou a percorrê-la suavemente. Por maior que fosse sua mão, não dava para segurá-la toda. A situação me deixou toda molhadinha de desejo.


Perguntei se não queria vê-la sem o biquíni. Ele quase engasgou quando desamarrei os lacinhos da tanguinha e descobri minha xana enorme que estava completamente depilada. Seus olhos brilharam como nunca tinha visto nos meus namorados. Imediatamente, colocou a cabeça entre minhas pernas e começou a chupar minha buceta com uma fome que me deixou louca. Sugava os lábios da minha xoxota ao meu tempo que tentava colocá-la toda na boca. Seu desejo por aquela parte do meu corpo, que até então me deixava tão envergonhada, me fez explodir de desejo. Ao mesmo tempo que chupava minha perereca ele dizia que adorava garota bucetuda e que eu era a garota mais gostosa que ele já tinha visto e estava apaixonado por mim e por minha xana.


Já me sentindo uma verdadeira égua no cio desejei que ele me penetrasse como fazem os garanhões no pasto das fazendas. Enquanto me chupava freneticamente, comecei a acariciar o seu pênis. Para minha surpresa ainda maior, o volume debaixo de seu short, que era bem folgado, me deixou assustada. Foi aí que, já não aguentando de tesão e percebendo que eu o desejava loucamente, abaixou o seu short e pôs para fora seu pinto. Vou contar para para vocês. Meu Deus, que coisa enorme! Quase perdi o fôlego só de ver aquele pau duro e com uma glande que parecia que ia estourar de tão inchada. Além de grande o seu pênis era da grossura do meu punho. Mais tarde, vim a descobrir que media 24 cm.


Quase tonta de tesão pela visão do seu pau e pela chupada que ele dava na minha buceta pedi a ele que me comesse ali mesmo. Vendo que parecíamos dois animais no cio, ele levantou minhas pernas para alto e deixou bem a mostra minha xoxota e finalmente enfiou aquele cacete enorme dentro dela. Apesar da minha buceta ser bem saliente e gorda, ginecologistas já me disseram que meu canal vaginal não é muito comprido e largo. Assim senti minha xana sendo rasgada por aquela pistola gigantesca. Após incontáveis estocadas, gozei como uma verdadeira vaca ao ser comida por um touro. 


Lembrei das palavras do meu ex-namorado, mas desta vez me senti inteiramente realizada como mulher e fêmea. Logo depois de minha gozada, senti seu pênis ejaculando na minha buceta. Era uma porra quente que inundou todo meu sexo. Para retribuir tanto prazer que ele me proporcionara tirei sua vara de dentro de minha buceta e comecei a chupá-la como se fosse a última fonte de alimento da vida. Sugava aquele pinto enorme tentando, sem sucesso, colocá-lo todo na minha boca. De repente, um jato de sêmen desceu pela minha garganta.


Naquela manhã, minha vida mudou completamente. Nasceu uma nova mulher dentro de mim. Eu e o Paulo (esse é nome dele) começamos a namorar e estamos de casamento marcado. Tenho certeza que encontrei minha alma gêmea que soube fazer do meu problema a maior fonte de prazer para nós dois. O Paulo é um homem maravilhoso. Eu o amo e sei que ele também me ama. Desde então, agradeço a Deus por ter nascido com uma buceta tão grande e volumosa.




Fonte:




Data: 14/01/2002

segunda-feira, 22 de janeiro de 2018

ALGUMAS VERDADES SOBRE A HOMOSSEXUALIDADE


(Luiz Mott)

Luiz Roberto de Barros Mott (São Paulo, 6 de maio de 1946), ou simplesmente Luiz Mott, é um antropólogo, historiador e pesquisador, e um dos mais conhecidos ativistas brasileiros em favor dos direitos civis LGBT. Luiz Mott é uma das figuras mais conhecidas do movimento LGBT e foi considerado um dos gays mais poderosos do mundo em uma lista feita pela revista americana Wink.


(Detail of a Fresco from the North wall of the Tomb of the Diver in Paestum, Italy).

Estudou em Seminário Dominicano de Juiz de Fora. Formou-se em Ciências Sociais pela USP. Possui mestrado em Etnologia em Sorbonne e doutorado em Antropologia, pela Unicamp. Professor titular aposentado do Departamento de Antropologia da Universidade Federal da Bahia, UFBA, e orientador do programa de pós-graduação em História da Universidade Federal da Bahia, UFBA. Fundador do Grupo Gay da Bahia, uma das principais instituições que laboram em prol dos direitos humanos dos LGBTs no Brasil, é dele o artigo abaixo, cuja finalidade é colocar algumas verdades sobre a realidade do unviverso gay:


O QUE É A HOMOSSEXUALIDADE

Texto original de Luiz Mott


Para começo de conversa, vamos dar nomes aos bois, ou melhor, aos "veados". Aliás, esta é uma primeira questão: porque apelidaram os homossexuais de veados? É só no Brasil que existe esta associação entre o animal veado e o homossexual: na Europa o veado representa a masculinidade e é até símbolo nacional de alguns países. Será que relacionaram o gay ao veado porque se trata de um bichinho elegante, fino, "fresco", de andar delicado igual o Bamby dos filmes de Walt Disney? Ou porque na natureza os veados machos andam sempre juntos e transam entre si? 


Em Pernambuco chamam os gays de frango, no Rio de Janeiro de boiola, no Maranhão de qualira, no Ceará de baitola, na Bahia de chibungo, nas academias de musculação os "muleques" chamam de tia, etc, etc. Tem mais de 60 nomes diferentes usados pelo povão para descrever nossa categoria, quase todos usados mais como insulto do que nome próprio. A palavra HOMOSSEXUAL é a mais antiga de todas e significa "sexo igual", sendo portanto aplicável tanto para o homem que transa com homem (gay) como para a mulher que transa com outra mulher (lésbica). É uma palavra universal, criada em l869 pelo jornalista gay-húngaro Benkert. Portanto, homossexual é quem ama e sente atração pelo mesmo sexo.


HETEROSSEXUAL é o contrário: quem gosta do sexo oposto, e BISSEXUAL é o que transa com os dois sexos. Existem portanto três formas predominantes de orientação sexual: a mais praticada que é a HETEROSSEXUALIDADE, seguida da BISSEXUALIDADE e da HOMOSSEXUALIDADE. A palavra GAY também é sinônimo de homossexual: é um termo que já existia no português antigo com o mesmo significado atual: gay significa "alegre" - (de gaiato) - muito embora nem sempre a gente tenha motivo para ser chamado de "rapaz alegre", tantas são as amarguras que temos de enfrentar nesta sociedade heterossexista.



Todos nós nascemos machos ou fêmeas. É a sociedade que vai nos definir como homens ou mulheres. As Ciências Naturais e Sociais garantem que o fato de nascer macho não leva obrigatoriamente o homem a ter atração física pelo sexo oposto. No reino animal, sim, o instinto determina a atração sexual do macho pela fêmea quando ela está no cio. Entre os humanos, cada povo é que vai determinar como vai ser a vida sexual de seus membros, se pode ter uma ou várias mulheres, se os jovens vão poder ou não transar antes do casamento, se a homossexualidade será aceita ou condenada, se vão castrar alguns rapazes para serem eunucos, etc



Pesquisas científicas revelam que 64% das sociedades humanas aceitam a homossexualidade e 36% condenam o amor homossexual. Infelizmente fazemos parte desta minoria de sociedades onde os direitos humanos dos gays e lésbicas não são respeitados. Mas há exemplos de outros povos, como a Grécia antiga ou a Suécia, Dinamarca e outros países civilizados, onde os homossexuais são respeitados e protegidos pelas Leis.


Estas informações têm como objetivo exatamente demonstrar que o preconceito contra os gays e lésbicas se baseia na ignorância, que discriminar os homossexuais é tão cruel e desumano como o racismo, e que se o Brasil quiser se tornar um país civilizado, tem de imitar não o Irã ou Iraque, onde a lei manda apedrejar os homossexuais e as mulheres adúlteras, mas deve tomar como modelo os países mais civilizados da Europa onde gays e lésbicas são tratados com os mesmos direitos de cidadania das demais pessoas.


Estas páginas são dedicadas sobretudo aos gays, lésbicas, travestis e transexuais. Mas qualquer pessoa, seja heterossexual ou bissexual, também tem aqui muito a aprender. Estas informações podem ajudar você e outras pessoas a construir um mundo melhor, com menos violência e ignorância, onde, como dizia o poeta bissexual Fernando Pessoa, "o amor que é essencial, o sexo um acidente: pode ser igual, ou pode ser diferente!"



Vamos começar o ABC dos Gays enumerando "10 verdades sobre a homossexualidade", dando os argumentos para você entender melhor sua própria homossexualidade e ter argumentos para rebater os ataques, indiretas e agressões dos ignorantes. Todas as informações aqui divulgadas se baseiam em livros científicos, em pesquisas sérias que podem ser comprovadas por especialistas. Se você desejar aprofundar algum desses temas, encontrará indicações de leitura nesta página.

1. SER HOMOSSEXUAL NÃO É CRIME


Esta é a primeira informação que todo mundo deve saber. Não existe no Brasil nenhuma lei que condene os gays, lésbicas, travestis e transexuais. Ninguém pode ser preso por ser homossexual. Nem o Código Penal nem a Constituição Federal condenam a homossexualidade e nem a sua prática entre pessoas maiores e com consentimento mutuo . O preconceito e a discriminação, sim, são proibidos pelas leis brasileiras. Se algum policial, autoridade ou qualquer pessoa insultar, agredir, prender ou discriminar você ou seu vizinho, por ser gay, lésbica, transexual ou travesti, você tem de reagir e denunciar na Delegacia de Polícia mais próxima ou nas Comissões de Direitos Humanos, nos jornais ou junto ao grupo homossexual de sua cidade ou Estado. E lembre-se: quem cala, consente. O grito é uma das armas dos oprimidos. Não consinta com discriminação alguma! É legal ser homossexual!!!

2. HOMOSSEXUALIDADE NÃO É DOENÇA


Muita gente ignorante afirma que todo homossexual é um doente físico ou mental. A Ciência diz o contrário: é normal ser homossexual. O próprio Freud, o Pai da Psicanálise declarou: "A homossexualidade não é nada que alguém deve envergonhar-se. Não é vício nem degradação. Não pode ser considerada doença!" O Conselho Federal de Medicina desde l985 retirou a homossexualidade da lista dos desvios sexuais. Tanto as Ciências Naturais como as Psico-Sociais confirmam: nada distingue um gay ou lésbica dos demais cidadãos, a não ser que os homossexuais amam o mesmo sexo, enquanto os heterossexuais preferem o sexo oposto, e os bissexuais curtem os dois sexos. Ser gay é saudável!


Ninguém pode ser obrigado a submeter-se a exames médicos ou tratamentos psicológicos visando mudar sua "orientação sexual". Castigar crianças ou adolescentes por manifestarem tendências homoeróticas é crueldade e fere o Estatuto da Criança e do Adolescente e um direito fundamental de todo ser humano: a livre orientação sexual. Como a homossexualidade não é crime nem doença, impedir alguém de realizar sua verdadeira orientação sexual é tirania, crueldade, abuso do poder e desrespeito aos direitos humanos. Nunca pratique nem se submeta a esta discriminação. A Ciência e as Leis estão do lado dos homossexuais!

3. HOMOSSEXUALIDADE NÃO É PECADO


Apesar de muitos pastores e padres condenarem o amor entre pessoas do mesmo sexo, Jesus Cristo, nunca falou sequer uma palavra contra os homossexuais. Quando algum crente disser que ser homossexual é pecado, desafie-o a mostrar no Evangelho qualquer condenação do Filho de Deus aos homossexuais. Jesus condenou, sim, os hipócritas, os ladrões, os mentirosos e intolerantes. Cada vez mais, importantes teólogos e estudiosos da Bíblia confirmam que também os homossexuais foram criados por Deus, pois nasceram assim do ventre materno (Mateus, l9-l2). E que todas aquelas passagens bíblicas que são citadas contra os homossexuais, ou foram mal traduzidas ou mal interpretadas. Muitas religiões, desde o tempo dos Gregos até os Orixás, respeitam os homossexuais, abençoam suas uniões e têm até divindades que praticam esta forma de amor. Se a tua religião discrimina os gays, caso você não consiga convencer seus líderes a respeitar os homossexuais como filhos de Deus, abandone e denuncie essa igreja, pois ela desobedece nossa Constituição e a Declaração Universal dos Direitos Humanos. A verdade está do lado dos gays e lésbicas: é a História que garante. "E conhecereis a Verdade, e a Verdade vos libertará!"

4. A HOMOSSEXUALIDADE SEMPRE EXISTIU


Antes mesmo de ter sido escrita a primeira linha da Bíblia, já existiam documentos, no antigo Egito, com mais de dois mil anos antes de Cristo, que descrevem relações sexuais entre dois deuses e dois homens. O poeta Goethe dizia que o homossexualismo é tão antigo quanto a própria humanidade e na própria Bíblia há exemplos de casos homossexuais, como a paixão do Santo Rei Davi por Jônatas. 


Homossexualidade não é sinal de decadência, nem leva os povos à ruína. Prova disto é a Grécia Clássica, que teve seu momento de maior glória e grandeza exatamente quando a homossexualidade era muito praticada e respeitada. Não há fogueira da Inquisição, nem pedrada do Levítico, nem Aids que consiga acabar com o amor entre pessoas do mesmo sexo. O amor unissexual sempre existiu e nunca vai acabar. O futuro é nosso!

5. TODOS OS POVOS PRATICAM A HOMOSSEXUALIDADE



Não foram os brancos que inventaram esta forma de amor. Quando os europeus chagaram no Novo Mundo encontraram aqui diversas tribos indígenas onde os gays eram muito numerosos e respeitados. Nossos índios chamavam os gays de tibira e às lésbicas de sacoaimbeguira. Em Angola os homossexuais eram chamados de quimbanda e na língua yorubá de adé. Na linguagem do candomblé os homossexuais são chamados monas ou adofiró. A maioria das sociedades humanas do passado e do presente respeitam os homossexuais.


Segundo pesquisas antropológicas, 64% dos povos são favoráveis a homossexualidade e 36% são hostis. Infelizmente fazemos parte desta minoria de povos que discriminam os homossexuais. Os cientistas deram um nome a esta aversão homossexual: HOMOFOBIA.


Homofobia é ódio ou intolerância à homossexualidade. É uma doença anti-social como o machismo e o racismo. Homofobia é doença que se cura com a informação e punição daqueles que desrespeitam os direitos humanos dos homossexuais.

6. A HOMOSSEXUALIDADE É NATURAL


Mesmo considerando a sexualidade humana como uma "construção social", já que durante muitos séculos chamaram erroneamente a homossexualidade de "pecado contra a natureza", consideramos politicamente correto afirmar que ela também é natural pois existe na natureza. Os animais também praticam o homossexualismo. Segundo a Zoologia, desde os percevejos, até as baleias, passando pelos veados e rolinhas, em todo o reino animal, existem relações sexuais de macho com macho e de fêmea com fêmea. Portando, dizer que o homossexualismo é anti-natural ou vai contra a natureza, é ignorância. Dizer também que os homossexuais ameaçam a sobrevivência da espécie humana é burrice, pois há evidências históricas e antropológicas comprovando que mesmo naquelas sociedades ultra favoráveis às práticas homossexuais, nem por isto tais povos sumiram do mapa: exemplo, os Etoros, nativos da Nova-Guiné, povo onde todos os adolescentes são obrigados a praticar o homoerotismo e nem por isto a reprodução da espécie ficou ameaçada.



Mesmo liberando-se o homossexualismo, sempre haverá um número superior de pessoas que vão preferir o sexo oposto. O Relatório Kinsey descobriu que mais da metade dos homens já tiveram ao menos um orgasmo com parceiros do mesmo sexo, embora os homens predominantemente homossexuais representem por volta de 10% da população do Ocidente. Portanto, no Brasil, deve existir mais de 15 milhões de homossexuais, população uma vez e meia superior aos habitantes dos 7 estados da região Norte do país.

7. A CAUSA DA HOMOSSEXUALIDADE É UM MISTÉRIO


Até hoje, por mais que se pesquise, ainda não chegaram os cientistas a uma conclusão definitiva para explicar a origem da homossexualismo. As teorias que tentaram explicar as causas da tendência homossexual por razões biológicas, genéticas, glandulares, psicológicas, sociais, todas são insuficientes e muitas vezes, umas contradizem as outras. De certo só se sabe uma verdade: que o homossexual é tão normal como os demais cidadãos. Nada distingue o gay e a lésbica dos demais homens e mulheres, a não ser que os homossexuais gostam do mesmo sexo, e os heterossexuais não. E gosto não se discute! Mais importante do que procurar as causas do homossexualismo, é buscar as causas da "homofobia" e lutar contra o preconceito e a discriminação anti-homossexual. As causas da homossexualidade são as mesmas da heterossexualidade, já que entre os humanos não é o instinto que determina a atração sexual, mas a preferência individual: tudo depende de gosto pessoal, de maior identificação com o objeto amado. Se todos gostassem só do azul, o que seria da cor de rosa? No mundo há lugar para todas as cores, por isto é que o arco-íris tornou-se o simbolo internacional do movimento homossexual. Viva a diferença!

8. GAY, TRAVESTI E, TRANSEXUAIS E BOFE


Do mesmo modo como acontece entre os "heteros", que inclui tanto o machão como homens delicados, também entre os "homos" há grande diversidade de comportamentos, estilos de vida e estereótipos. Ser gay não é sinônimo de efeminação, e nem toda lésbica é mulher-macho. Como você sabe, entre os homossexuais existe grande diversidade : gays, travestis, transexuais e bofes. Os gays, popularmente chamados de bichas ou entendidos, incluem os "enrustidos" (infelizmente a maioria), as "bichas fechativas" e os "assumidos". Entre os assumidos, os "gays ativistas" ou "militantes" : são aqueles que se organizaram em grupos para defender nossos direitos de cidadania. As travestis se vestem de mulher, algumas usam silicone ou hormônio para feminilizar seu corpo, infelizmente uma grande parte vive da prestação de serviços sexuais, algumas porque gostam e outras por não conseguir um trabalho socialmente aceito. As transexuais se consideram completamente pertencentes ao sexo oposto ao que nasceram, chegando alguns a realizar a operação para mudança de sexo. Necessariamente a transexualidade não está ligada à cirurgia de mudança de sexo. O que importa mesmo é o sexo psicológico, como a pessoa se identifica, sente, ama e vive. Estas duas categorias sociais, estão mais relacionadas com o universo heterossexual, que com a própria homossexualidade, porque o homem gay não se transforma e nem sente interesse sexual, por travestis e transexuais, ele gosta de outro igual a si. 

Travestis e transexuais, na sua grande maioria se interessam sexualmente por homens não gays. Existe uma tênue diferença entre travestis e transexuais. Os bofes são rapazes que transam com os homossexuais mas que não assumem a identidade homossexual: os rapazes de programa transam de vez em quanto com homossexuais enquanto os michês são profissionais do sexo. Entre as lésbicas há as sandalinhas, ladys, sapatas, entendidas e sapatões. Um lembrete importante: a aparência externa não traduz necessariamente as fantasias e práticas individuais, pois há efeminados que não são gays e machões que na cama viram "bofonecas". Há muitos estilos de vida, várias formas de viver suas preferências sexuais. Todos têm direito de viver como querem, desde que respeitando o mesmo direito dos outros.


Temos de aprender a conviver com a diversidade, aceitar o pluralismo, respeitar o diferente. Cada qual se assume quando e o quanto quiser. Em questão de sexualidade não há receita única nem certo ou errado. O único limite à nossa liberdade sexual é a liberdade alheia. Cada qual na sua e todo mundo numa boa.

9. HOMOSSEXUALIDADE NÃO É SINÔNIMO DE CÓPULA ANAL


Muita gente tem medo de experimentar uma relação com o mesmo sexo porque imagina que sempre tem de ter um que come o outro, ou uma que domina a outra. Ledo engano. Tem muito gay que não gosta de dar nem de comer, mantendo relação frente a frente com o parceiro, sem essa de ativo e passivo, macho e fêmea. O sexo não tem sexo! O ser humano não é regido pelo instinto, e sexo também é cultura, invenção, imaginação. É importante lembrar que o sexo não se destina apenas à reprodução, mas ao prazer, à união, amor e amizade entre os amantes, seja de que sexo forem. Se para a reprodução é necessária a penetração, para o amor não. E com o aparecimento da Aids, é preciso estar bem informado sobre algumas verdades relacionadas ao homoerotismo: primeiro, que a Aids não é uma doença de gays, pois surgiu entre os heterossexuais e pode pegar em qualquer pessoa. Segundo, a Aids só se transmite através do sangue, esperma e secreções vaginais, de modo que em qualquer relação sexual deve-se evitar que tais líquidos, o esperma, o sangue e as secreções vaginais, entrem no seu corpo ou no corpo do parceiro. Penetração, só com camisinha! Pode-se praticar o "sexo mais seguro" evitando a troca destes líquidos.


Beijo, abraço, carícias, masturbação individual ou recíproca, tudo isto dá prazer, leva ao orgasmo, sem oferecer risco de contaminação pelo HIV, o vírus da Aids. Use sua imaginação! Não tenha medo do homossexualismo nem dos outros gays por causa da Aids: qualquer sexo sem risco, seja com o mesmo, seja com o sexo oposto, não oferece perigo de contaminação. O que mata é a ignorância, o preconceito e transar sem camisinha.

10. HOMOSSEXUAIS CÉLEBRES


Os donos do poder sempre procuraram destruir a história dos oprimidos como uma forma de impedir que imitassem seus heróis, tivessem orgulho de sua condição e reivindicassem igualdade de direitos. Os negros têm seus ídolos, as mulheres seus modelos. Também nós, gays e lésbicas, temos muitos iguais a nós de quem nos orgulhar. Uma das provas mais evidentes de que a homossexualidade não é doença ou algo desprezível, é a quantidade de celebridades na história humana que foram praticantes do "amor que não ousava dizer o nome". Mesmo vivendo em épocas em que o homossexualismo era castigado como crime, ninguém conseguiu destruir a paixão de ilustres homoeróticos. 


Eis uma lista de apenas 10 celebridades que amaram o mesmo sexo: Sócrates, Alexandre Magno, Leonardo Da Vinci, Miguelângelo, Shakespeare, Fernando Pessoa, Santos Dumont, Oscar Wilde, Pasolini, Renato Russo. Agora dez mulheres que amaram outras mulheres : Safo, Catarina da Rússia, Cristina da Suécia, Imperatriz Leopoldina, Eleonor Roosevelt, Marguerite Yourcenar, George Sand, Marlene Dietrich, Martina Navratilova, Ângela Rorô. E muitos mais que você sabe... Quantos artistas, cantores e cantoras, políticos, esportistas famosos, nossos contemporâneos, são reconhecidos como homossexuais? Que o exemplo destes gays e lésbicas célebres sirva de lição: é possível ser homossexual e tornar-se alguém respeitado, digno de admiração. Basta saber se conduzir com dignidade, desmascarar o preconceito, exigir respeito!



Fonte: