segunda-feira, 2 de dezembro de 2019

ROBERT MAPPLETHORPE: A FORÇA DO NU MASCULINO




Já usei fotos de Mapplethorpe em várias matérias. Agora, publico uma postagem especial sobre esse grande artista. Sua obra é bastante vasta e seus interesses fotográficos iam de fotos de nudez, sadomasoquismo a flores. No entanto, vou privilegiar neste post suas fotos de nus masculinos. 



Uma breve biografia: Robert Mapplethorpe nasceu em 4 de novembro de 1946, em Floral Park, estado de Nova York. Ingressou no Pratt Institute, no Brooklyn, para estudar Artes Gráficas, mas largou a faculdade em 1969, antes de se formar. Robert passou a morar com uma amiga de longa data, Patti Smith, de 1967 a 1972, que apoiava sua arte e com quem manteve uma longa amizade. 



Tornou-se famoso por suas fotografias de nus masculinos, cheias de erotismo, depuradas por meio de uma técnica de preto-e-branco sutil e purista, que se tornou sua marca pessoal. Faleceu em março de 1989, aos 42 anos, devido a complicações decorrentes do vírus da AIDS. Cerca de um ano antes de sua morte, já doente, Robert criou a Fundação Robert Mapplethorpe Inc., com o objetivo de propagar seu trabalho, sua visão criativa e promover causas com as quais ele se preocupava. 



Desde sua morte, a fundação funciona não apenas como uma promotora de sua arte, mas também para levantar e doar milhões de dólares para fundos de pesquisas médicas empenhadas em desvendar e combater o vírus HIV e a AIDS, além de determinar em quais galerias seu trabalho será apresentado e o teor da exposição. Fique, agora, com uma sequência de fotos de Robert Mapplethorpe, com a temática do corpo masculino: 






















Fontes: 



sexta-feira, 1 de novembro de 2019

SETE: UM NÚMERO CABALÍSTICO?




Na época da inquisição, associavam as bruxas aos gatos e os perseguiam a ambos. Como não conseguiram acabar nem com as bruxas nem com os gatos, diziam que os felinos tinham sete vidas. Na tradição cabalística, o número sete representa vida e abundância. E sete mulheres nuas? Representam o quê? Ora, na nossa “cabala erótica”, apenas sete motivos de tesão. 


Ou, num antes e depois também baseado no número sete, sete possibilidades de contemplação e desejo, nestas fotos de sete poses. E por que sete poses? Não temos a mínima ideia do motivo. Apenas descobrimos, por acaso, que se trata de sete poses destinadas a aulas de desenho. Nada mais. Então, fiquemos com o prazer de curtir essas mulheres bastante comuns e suas sete poses: 






































Fontes: 



sábado, 5 de outubro de 2019

PARA OS MORALISTAS, A DELICIOSA CANÇÃO SAFADA DE COLE PORTER




Para encerrar, pelo menos por enquanto, o assunto “moralismo”, vamos falar de música. Cole Porter ((9 de junho de 1891 — 15 de outubro de 1964), o genial compositor estadunidense, e seu parceiro Noël Coward escreveram uma deliciosa canção de amor, não exatamente nos moldes românticos da época, mas exaltando o amor físico, dizendo de forma poética e musical aquilo que aqui temos afirmado: que sexo todo ser vivo faz! Você pode encontrar, no final, endereços da versão original, com o próprio compositor ao piano e mais uma versão com a fantástica Ella Fitzgerald. O que vamos apresentar aqui é a versão que Chico Buarque, também genial, fez dessa música e o endereço é de sua apresentação com ninguém menos do que Elza Soares. Divirta-se com a letra e música, tanto no original quanto em português, mais as nossas ilustrações. 


Façamos (Vamos Amar) 

Chico Buarque de Holanda 


Os cidadãos no Japão fazem 

Lá na China um bilhão fazem 

Façamos, vamos amar 


Os espanhóis, os lapões fazem 

Lituanos e letões fazem 

Façamos, vamos amar 


Os alemães em Berlim fazem 

E também lá em Bonn 

Em Bombaim fazem 

Os hindus acham bom 



Nisseis, níqueis e sansseis fazem 

Lá em São Francisco muitos gays fazem 

Façamos, vamos amar 


Os rouxinóis nos saraus fazem 

Picantes pica-paus fazem 

Façamos, vamos amar 



Uirapurus no Pará fazem 

Tico-ticos no fubá fazem 

Façamos, vamos amar 



Chinfrins, galinhas afim fazem 

E jamais dizem não 

Corujas sim fazem, sábias como elas são 



Muitos perus todos nus fazem 

Gaviões, pavões e urubus fazem 

Façamos, vamos amar 



Dourados no Solimões fazem 

Camarões em Camarões fazem 

Façamos, vamos amar 



Piranhas só por fazer fazem 

Namorados por prazer fazem 

Façamos, vamos amar 



Peixes elétricos bem fazem 

Entre beijos e choques 

Cações também fazem 

Sem falar nos hadoques 



Salmões no sal, em geral, fazem 

Bacalhaus no mar em 

Portugal fazem 

Façamos, vamos amar 



Libélulas em bambus fazem 

Centopeias sem tabus fazem 

Façamos, vamos amar 



Os louva-deuses com fé fazem 

Dizem que bichos de pé fazem 

Façamos, vamos amar 


As taturanas também fazem 

com um ardor incomum 

Grilos meu bem fazem 

E sem grilo nenhum 


Com seus ferrões os zangões fazem 

Pulgas em calcinhas e calções fazem 

Façamos, vamos amar 



Tamanduás e tatus fazem 

Corajosos cangurus fazem 

Façamos, vamos amar 



Coelhos só e tão só fazem 

Macaquinhos no cipó fazem 

Façamos, vamos amar 



Gatinhas com seus gatões fazem 

Tantos gritos de ais 

Os garanhões fazem 

Esses fazem demais 



Leões ao léu, sob o céu, fazem 

Ursos lambuzando-se no mel fazem 

Façamos, vamos amar 

Façamos, vamos amar 






Fontes: 

Chico Buarque e Elza Soares: 





Cole Porter (Let's Do It - Let's Fall In Love): 


Ella Fitzgerald: