segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017

SEXO APENAS, SEM OUTRAS EMOÇÕES ENVOLVIDAS




 (Parque temático - Coreia do Sul)




O blog chama-se “Conversa Atrevida”. O adjetivo atraiu minha atenção e lá fui eu vasculhar suas páginas. Há textos interessantes. E um deles, em especial, trata de um assunto um tanto tabu, entre quase todas as pessoas: fazer sexo pelo sexo, sem outras emoções envolvidas. Sem nem saber quem é o outro ou a outra. Sexo tesão puro. Pois, é: pensa-se nisso. E o desejo – ou fantasia – não é masculino, não. Leia a crônica e sinta-se devidamente provocado/a, minha cara leitora, meu caro leitor (fotos da internet, sem indicação de autoria; fonte no final; mantive a linguagem original):



CONFESSA QUE 

VOCÊ NUNCA FEZ SEXO



Mas olha lá hein... Tô falando de SEXO mesmo, nada dos tradicionais “foder”, “transar”, “fazer amor”, “dar uma rapidinha”... 


Tenho pra mim que poucas pessoas já tiveram essa experiência; fazer sexo simplesmente (até porque SEXO costuma ser uma coisa muito complicada para a maioria das pessoas).


Estou falando de sexo sem beijos, sem sentir o cheiro do outro, sem ver se a cara do sujeito te dá vontade, sem reparar se a garota te provoca uma ereção... Só sexo, pelo sexo. Anal, vaginal, oral... 


Nada de um jantar antes ou uns ‘amassos’ depois... Só você, o outro e o tesão. Ah, e um buraco no meio. Ok, eu sei que você sabe que o sexo é feito de BURACOS. Ou melhor... NOS buracos. 


Mas não, eu não estou me referindo aos buracos corporais óbvios pra realização do sexo, estou falando em buraco mesmo... Na parede.


Quando eu tinha uns 14 anos costumava passar uns fins de semana no sítio de uma colega de escola. Íamos um grupo de quatro ou cinco garotas. Certa vez estávamos no banheiro fofocando quando, de repente, uma deu um grito. Numa das paredes um pequeno buraco e através dele entrava e saia um pênis (cena até comum em filmes como “American Pie”).


Foi um tal das meninas gritarem e dos garotos (amigos do irmão dela) do outro lado da parede rirem... Nenhuma das garotas foi lá tocar no pau... E os garotos ganharam foram uns “cascudos” por causa da brincadeira.


Na época eu só achei engraçado... Mas anos depois quando eu me lembrava da cena ficava excitada e toquei muita ‘siririca’ pensando daquele pau surgindo duro através daquele buraco; em como seria roçá-lo no meu grelinho, ser possuída por um pau sem rosto, sem corpo. 


Faz pouco tempo que descobri que ISSO tem nome: Gloryhole ou “buraco glorioso”.


Na Bahia, por exemplo, já teve (provavelmente ainda tenha) até local apropriado pra prática. Pra ser BEM franca eu não sei se na real eu teria tesão ou coragem pra me deixar penetrar ou pra cair de boca num pênis cujo dono eu não estou vendo... Mas na teoria até que eu acho BEM excitante. 


Olha que, de repente, abrir um buraco em um dos cômodos da casa pode até ser uma ‘brincadeirinha’ gostosa entre casais... Sempre acho que as pessoas (as mulheres principalmente) se preocupam MUITO em “fazer amor”.


Mesmo com o parceiro, é saudável lembrar, vez ou outra, o quão bom pode ser fazer sexo como algo FÍSICO. 


Sexo é ótimo pra relaxar, pra liberar endorfina, aumentar a frequência cardíaca... Sem contar que assim a gente não tem que se preocupar se a celulite na bunda ta aparecendo, não precisa ficar de beijos quando só ta a fim de gozar mesmo. 


LEMBRANDO que se você for se aventurar no “Gloryhole”, (aliás como em toda relação, independente do buraco extra na parede), CAMISINHA sempre porque o pau vai continuar entrando nos buracos tradicionais! E se não conseguiu “imaginar” como acontece essa prática, AQUI você tem vários exemplos.


Só pra você matar a curiosidade.



Fotos da internet, 
sem indicação de autoria.


Fonte:






Nenhum comentário: