segunda-feira, 12 de setembro de 2016

PROBLEMAS DE EREÇÃO EM NUDISTAS




Uma pergunta frequente que os homens, principalmente jovens, se fazem antes de frequentar um campo de nudismo:

"E se eu tiver uma ereção?"

(Fameni Leporini)

Para alguns, o medo de ficar com o pau duro em público é suficiente para conter o seu interesse no naturismo. O fato, porém, é que muito mais se fala do que realmente acontece uma ereção em ambientes sociais. O texto abaixo, de Jordan Blum (referências e fontes ao final), pode esclarecer muitas dúvidas, tanto de homens que gostariam de adotar a filosofia naturista, quanto as mulheres e muitas famílias, que passam a entender melhor como funcionam as regras de um campo de nudismo:

UM PAU DURO NUM CAMPO DE NUDISTAS: 

ESCÂNDALO?



Ereções são naturais, com certeza, mas um nudista com pau duro não é um bom sinal, na definição de naturismo público. Todos sabemos (e já tratamos disso aqui mesmo) que as regras de frequência aos campos e praias nudistas são bastante rigorosas. E a prática do nudismo público segue uma ética de seriedade, bom gosto e proteção a todos os participantes.


Muitos praticantes do naturismo reclamam que há uma ênfase excessiva nesse problema, que é um evento absolutamente normal e que deve ser tratado dentro dos princípios sadios da prática, sem muito alarde. Mas, há, sim, dentro da comunidade nudista, algumas pessoas que expressam o sentimento de “proteger” determinados grupos, quando se percebe que há uma excitação abertamente sexual.


Aspectos religiosos e percepções sociais mais conservadoras levam alguns naturistas a discutir, digamos, as ações do pênis e sua visão em estado de ereção como algo que deve ser severamente reprimido. O problema é que uma ereção, num indivíduo adulto, pode também ser um ato involuntário. Ou seja, pensamentos eróticos não são a única coisa que faz que o pênis endureça. É normal entre os homens que ele fique ereto várias vezes durante o dia, sem nenhuma razão particular.


Além disso, qualquer ato que gera um fluxo de sangue para a parte inferior do corpo, como atividades esportivas, pode ser suficiente para provocar uma ereção. Também é normal para um homem ter uma ereção durante o sono REM (movimento rápido dos olhos). Ereções podem ser impossíveis de controlar, especialmente entre os homens mais jovens. Assim, uma ereção não sinaliza automaticamente a excitação sexual. No entanto, a sociedade continua a associar um pau duro quase exclusivamente com a excitação sexual. Ereções podem diminuir por conta própria ou após a ejaculação.


De qualquer modo, o pênis ainda tem má reputação, na sociedade moderna. Coube a Agostinho (o santo da igreja católica) ser o primeiro filósofo a moldar a opinião religiosa sobre o pênis e suas ações, ao apontar a ligação entre as ereções, a luxúria e o pecado. As gerações anteriores admiravam o pênis e sua conexão com a masculinidade. Mas, a partir daí, a sociedade passou a ver o órgão como a raiz do mal. Essa mudança na percepção deixou uma impressão que ainda causa problemas de hoje.


Evitar a ereção involuntária de crianças e até de homens fez surgir uma série de engenhocas, utilizadas pelas famílias até o início do século 20. E as religiões continuam a ensinar que o sexo é sujo e que lidar com os órgãos sexuais é errado. Masturbação, então, nem pensar: faz crescer pelos nas mãos! Assim, muitos homens encontram dificuldade em separar nudez e sexualidade, em suas mentes, e não conseguem imaginar como um ambiente social em que as pessoas estão nuas não possa ser poderosamente excitante.


Uma vez que se experimenta e se acostuma com isso, passam a perceber que uma situação de nudismo total não é mais sexualizada do que uma praia de pessoas de biquínis e maiôs, com mais ou menos exposição. Ou seja, tudo depende de os olhos, os sentidos, a mente e o hábito levarem ao indivíduo a conformidade dele com o ambiente, para se chegar a uma zona de conforto. No entanto, entre a comunidade nudista, quando ocorre de alguém ter uma ereção – voluntária ou não –, recomenda-se que se aja com naturalidade e discrição, cobrindo o pênis com uma toalha (que um bom nudista sempre tem à mão), entrando na piscina ou no mar até que passe a excitação.


Mas, lembre-se: andar por aí, num campo de nudistas, ostentando uma ereção visível e prolongada pode resultar em ser convidado a sair do ambiente, por ser um comportamento totalmente contra as boas regras de convivência e de respeito ao outro.


É claro que há grupos que divergem dessa opinião e, em muitos fóruns de discussão, aparecem pessoas que acreditam que, por ser uma função natural, a ereção não devia ser assim tão penalizada. No entanto, o sexo também é natural e, em geral, os naturistas não admitem o ato sexual em público. De qualquer forma, a necessidade de proteção a grupos vulneráveis, como crianças, pode ser um argumento poderoso contra as artimanhas voluntárias de algum engraçadinho com pau duro, num campo de nudismo.


Uma última observação: neste campo, há claramente um duplo padrão de comportamento e de etiquetas em jogo. Não há regras claras para mulheres que se excitem e exibam, por exemplo, mamilos claramente eriçados de tesão.  Mas, talvez, isso nem seja mesmo muito percebido, não é?


Enfim, não há muito o que temer, se você estiver disposto a passar a frequentar as delícias de um campo de nudismo e a adotar a filosofia naturista: o bom senso levará seu pênis mais afoito a acostumar-se com a visão da nudez e, em pouco tempo, você nem mais se lembrará de que está nu no meio de uma porção de pessoas nuas. Aproveite.




Referências e fontes:













Nenhum comentário: