segunda-feira, 6 de junho de 2016

QUEM SÃO OS HOMENS QUE SE CASAM COM TRAVESTIS E TRANSEXUAIS?




(Camille Mm)

A vida de travestis famosas sempre chama a atenção da mídia e as pessoas ficam curiosas. Então, fica-se sabendo que a travesti fulana de tal casou com um italiano rico, ou com um empresário etc. E todos comentam. Mas só se publica o lado “trans” do relacionamento. Ou seja, o lado da travesti, da transexual. Nada sabemos dos homens que se casam com elas. E não precisam ser famosas nem ricas: muitas se casam com homens comuns (que não aparecem na mídia) e vivem bem com eles.


Quem são esses homens? Por que se casam com travestis? Que mundo é esse de que nunca se fala: o mundo de homens que gostam de mulheres que têm paus (não são todas as que operam), que se relacionam com elas e casam com elas? Quase nada sabemos. Por isso, o texto abaixo é bastante esclarecedor. Desvenda um pouco desse mundo de homens que gostam de mulheres que têm “algo mais”, ou já tiveram. As ilustrações são de Drew Jones.


ELES GOSTAM DE MULHER.

COM PÊNIS!



O estudante carioca Wesley, 22 anos, não vive uma relação pacífica com os pais. Em seu blog, pormenoriza as discussões que já viraram rotina. Ele tem o que desabafar: é sempre uma piadinha aqui, uma farpa ali na frente. Ao mesmo tempo, a tensão familiar é um dos maiores combustíveis da sua sobrevivência nessa competitiva terra de ninguém que é a internet. No último dia 9 de fevereiro, postou: "Eles (seus pais) não sabem é que o meu gosto não é simplesmente uma tara, um tesão momentâneo para depois cair fora, o meu gosto, além de sentir tesão, é também querer um relacionamento afetivo com uma travesti ou trans, é querer namorar uma t-gata, noivar, e tem também o meu sonho de casar com uma travesti, que eu realizarei com certeza".


Wesley, que usa "Ursão" como sobrenome, responde pelo diariotlover.com, que conta com 20 mil acessos mensais. Ele se considera uma espécie de porta-voz dos t-lovers. São amantes de travestis e transexuais, chamadas no meio de t-gatas. Em geral, não se consideram gays. Dizem gostar de mulher. E muito. Mas de preferência daquelas com pênis.


"Não sou gay, porque gosto da figura feminina. A figura feminina com o "detalhe" chama muito a atenção dos t-lovers, não que necessariamente ele vá tocar o órgão ou ser passivo, mas a dualidade em um corpo feminino mexe com a cabeça de muitos homens. Se eu fosse gay, eu não estaria correndo atrás de travesti, mas sim atrás de um homem com figura masculina. Mas meu negócio é a figura feminina", revelou Wesley, em conversa com o JC.


Segundo o blogueiro, sua decisão em expor a vida pessoal num blog (e com direito a foto) é exceção no universo dos t-lovers. Ele tem razão. Para esta reportagem, contatamos 12 deles em sites de relacionamento. Apenas dois aceitaram conversar. "Muitos homens se sentem reprimidos por assumir publicamente esse gosto por travestis com medo de serem ridicularizados. Ou mesmo com medo de serem zoados pelos colegas. Por isso muitos se escondem, não assumem publicamente a relação com uma travesti ou trans, o que gera reclamação por parte delas. Elas defendem a tese de que quem ama assume. E eu concordo com isso."


Ele fala por conta própria. Aluno do ensino médio, Wesley decidiu se assumir como t-lover aos 19 anos. Nessa época, passou a conviver com as críticas das travestis, que se sentiam usadas pelos amantes, muitas vezes vistos como michês ou interessados apenas em sexo casual. "Travestis e transexuais também têm sentimentos, e eu, como t-lover, estou disposto a assumir um namoro com elas. Por isso resolvi criar um blog contando como é o meu dia a dia. Gostar de travestis não te faz menos homem. Com essa minha postura, o blog foi evoluindo e já temos um bom índice de acessos mensais."


Esse bom índice de acessos, no entanto, nem sempre gerou boas reações por parte dos internautas, graças à passionalidade da escrita de Wesley. "No início, quando eu falava o que pensava, era interpretado como agressivo. Isso gerou muita polêmica nos comentários. Mas eu mudei a política de postar e a minha maneira de comentar, fazendo assim com que vários leitores sintam prazer de ler o diário. Mas o importante é que as travestis e as trans admiram meu trabalho. Agora tenho uma postura mais tolerante a opiniões contrárias e debato numa boa com todas as pessoas."



No site Casa da Maitê (www.casadamaite.com), um internauta conhecido como Senhor Pinto assina uma coluna sobre o universo dos t-lovers com o nome Filosofia na alcova (referência ao clássico homônimo do Marquês de Sade). Em conversa com o JC por e-mail, ele se identificou como paulistano, casado, jornalista e escritor. "Com essa coluna, eu quis mostrar que existe uma vida pulsando nesse mundo trans muito interessante. Uma vida que é muito rica e que precisa ser conhecida e respeitada. Quis contar minhas experiências para que as pessoas também se sentissem encorajadas a vir à luz, mesmo preservando sua intimidade e sua identidade. T-lover é um termo simpático, um apelido. É como dizer para o cara que gosta de futebol: "Você é corintiano porque gosta do Corinthians, você é palmeirense porque gosta do Palmeiras. Sejam felizes torcendo por seus times. Meu time é o das travestis"", disse.




Fontes:
TEXTOS CRÍTICOS;  Publicado em 11:02, by Diogo Didier

Jornal do Comércio - Publicado em 12.04.2010

(Schneider Carpeggiani - carpeggiani@gmail.com)


(Fotos da internet, sem indicação de autoria)


2 comentários:

Anônimo disse...

Péssima "matéria", ridícula e limitada. Não só travequeiros (t-lovers é eufemismo) que casam e assumem travestis. Há caras (que se consideram) gays que não se incomodam com a figura feminina, caras (que se consideram) heteros que curtem comer cu mais do que buceta, caras bissexuais (como é o meu caso) e ainda diversas mulheres, cis ou trans, que se relacionam amorosamente com travestis. Eu sou casado com uma mulher trans mas não sou um travequeiro. Os relacionamentos humanos nao cabem nesse perfil mal traçado de site fetichista onde vc pesquisou essa incrivel amostragem de 12 enrustidos.

Isaias Edson Sidney disse...

Oi, Anônimo: você tem razão, o assunto é mesmo polêmico. Se tiver fontes melhores do que as que citei ao final, para mais um artigo sobre esse tema, por favor, envie-me, que terei prazer em analisar e publicar mais textos sobre ele. Com mais esclarecimentos. Obrigado por frequentar nosso blog. Abraços.