segunda-feira, 14 de setembro de 2015

NEGRO É A COR MAIS QUENTE






Na verdade, o nome do filme é AZUL É A COR MAIS QUENTE. Troquei as cores, porque, antes de falar do filme, devo dizer que este post é uma homenagem a duas pessoas que não estão mais entre nós. Morreram, ambas, no começo deste ano de 2015, primeiro uma e, logo depois, a outra. Teria que ser assim: não podiam viver sozinhas.






Viveram juntas mais de quarenta anos. Depois de tanto tempo, o amor esgarça-se, mas elas permaneceram firmes. Firmes talvez não seja o termo exato para defini-las, porque, nos últimos anos, seu esporte predileto era o copo. E foi a bebida que as levou. Tiveram um bar. Beberam-no. Adotaram um bar, o da esquina aqui da minha casa. Para desespero do dono, que era amigo delas e tentava impedir que bebessem tanto.








Enfim, que não fique apenas essa impressão, mas que reste de recordação de suas trajetórias o amor que tiveram uma pela outra, consolo de uma vida que, como todas as vidas, teve altos e baixos. Deixaram aqui, no bairro onde moraram, a certeza de que muitos não as esquecerão. Amigas de todos: Iara e Sueli. Duas mulheres negras, maravilhosas. Aqui, sem sobrenomes. Mas com uma lágrima de saudade.







E vamos ao filme. Sua história é simples: a adolescente que ainda não compreende suas pulsões e impulsões sexuais. E descobre o amor, não no menino um pouco mais velho, um adônis que provocaria - e de fato provoca - a libido de muitas garotas como ela, mas numa outra garota, também estudante, de artes plásticas, de cabelo azul. Apaixonam-se e vivem intensamente esse amor. Essa a história do amor de Adèle e Emma.







Secreto amor. Que exsuda por todos os poros. Carnal. Filmado com grande sensibilidade pelo diretor, em cenas de grande prazer estético e erótico. Em cenas longas e detalhadas, com muito bom gosto. E mesmo quando rompem, fica em nossos sentidos o sentido profundo do gosto do primeiro amor. Um belo filme do amor lésbico, com o qual homenageio todas as mulheres, principalmente as amigas Sueli e Iara, postumamente.








Ficha técnica:


Filme: AZUL É A COR MAIS QUENTE (LA VIE D'ADÈLE - CHAPITRES - 1)

Direção: Abdellatif Kechine

Atrizes principais: Léa Sydoux (Emma) e Adèle Exarchopoulos (Adèle)

País de origem: França

Data de produção: 2013

Duração: 2h57min





Nenhum comentário: