segunda-feira, 28 de outubro de 2013

O PÊNIS HUMANO, A ANATOMIA DA DESCONFIANÇA: UM DESIGN ÚNICO





(Fonte em forma de pênis, Amsterdam)



Assim como o rosto, o pênis humano também tem um formato que está incrustado em nossa mente. Qualquer pessoa é capaz de reconhecer um pênis numa foto, num desenho, num monumento, mesmo que ele se apresente estilizado ou camuflado, por ter ele um formato extremamente peculiar, único entre todos os machos, de todas as espécies.





Mas... você já se perguntou por que tem o pênis este formato? Por que, mais especificamente, a cabeça do pênis parece um capuz?





Vamos tentar decifrar esse enigma, com o auxílio de Jesse Bering, que escreveu um livro - Devassos por natureza - que, apesar do título chamativo, apresenta artigos e estudos científicos a respeito do sexo e da condição humana. Nesse livro, há um capítulo sobre o formato do pênis. São dele, de forma resumida, os argumentos abaixo, que lançam uma luz bastante instigante à questão.






"[...] Segundo o psicólogo evolucionário Gordon Gallup, o pênis humano é na realidade uma 'ferramenta' impressionante [...] manufaturada pela natureza ao longo de centenas de milhares de anos da evolução humana.




A abordagem de Gallup ao estudo do design do pênis humano é um exemplo perfeito de engenharia reversa. [...] Trata-se de uma técnica [...] lógico-dedutiva para descobrir o propósito adaptativo ou a função de traços físicos, processos psicológicos ou preconceitos cognitivos existentes (ou sobreviventes). Isto é, se você começa com o que vê hoje - neste caso, o pênis com seu formato esquisito, sua glande bulbosa (a 'cabeça', na linguagem comum), sua haste longa e rígida, e a aresta coronal, que constitui uma espécie de lábio em forma de guarda-chuva entre essas duas partes - e vai recuando no tempo, observando como ele veio a assumir essa aparência, a engenharia reversa é capaz de propor um conjunto de hipóteses baseadas na função, derivadas da teoria evolucionária.





Se você [...] comparar a forma desse órgão com o design do mesmo órgão em outras espécies, notaria as seguintes características unicamente humanas. Primeiro, apesar da variação de tamanho entre os indivíduos, o pênis humano é especialmente grande comparado ao dos outros primatas. [...] Além disso, só a espécie humana tem aquela glande como uma calota de cogumelo, conectada à haste pelo fino tecido do frêmulo (a delicada saliência de pele logo abaixo da uretra). [...] Ocorre que uma das características mais significativas do pênis humano não é tanto a glande em si, mas aresta coronal que ela forma por baixo. O diâmetro da glande onde ela encontra a base é mais lago que a própria haste. Isso resulta na aresta coronal que circunda a circunferência da haste - algo que Gallup, usando a lógica da engenharia reversa, acreditava poder ser uma importante pista evolucionária das origens da estranha visão do pênis humano.






[...] Estudos de imagiologia magnética de casais heterossexuais fazendo sexo revelam que, durante o coito, o pênis típico se expande completamente e ocupa o aparelho vaginal, e com penetração total pode até chegar ao colo do útero da mulher e levantá-lo. Isso, combinado com o fato de que a ejaculação humana é expelida com grande força e por uma distância considerável (até sessenta centímetros se não contida), sugere que os homens são projetados para liberar esperma dentro da porção mais alta possível da vagina. Num artigo na revista Evolutionary Psycology, Gallup e Rebecca Burch afirmam que 'um pênis mais longo seria vantajoso não só para deixar sêmen numa parte menos acessível da vagina, mas, ao encher e expandir a vagina, ele também ajudaria e incitaria o desalojamento de sêmen deixado por outro machos como um meio de maximizar a probabilidade de paternidade'.






Essa 'teoria do desalojamento do sêmen' é a parte mais intrigante da história de Gallup. Talvez prefiramos ver nossa espécie como ditosamente monógama, mas, ao menos em algum grau, pular a cerca tem sido nosso modus operandi pelo menos desde que andamos sobre duas pernas. Como as células de esperma sobrevivem no muco cervical de uma mulher por até vários dias, se ela tiver mais de um parceiro sexual do sexo masculino durante esse período, digamos dentro de 48 horas, o esperma desse dois homens estará competindo por acesso reprodutivo ao seu óvulo. 






Segundo Gallup e Burch, 'exemplos incluem sexo em grupo, estupro por bando, promiscuidade, prostituição e insistência do macho residente em sexo em resposta a uma suspeita de infidelidade'. E embora o desalojamento do sêmen seja o objetivo do macho competidor, nem mesmo pênis satisfatoriamente desenvolvidos são perfeitos. De fato, como evidência das inclinações sexuais naturais de nossa espécie, o autores citam caso bem documentados de heteroparidade, nos quais 'gêmeos fraternos' são de fato gerados por dois pais diferentes que fizeram sexo com a mãe num intervalo curto de tempo.






Como então a natureza equipou os homens para resolver o problema adaptativo de outros homens engravidando suas parceiras sexuais?





A resposta, segundo  Gallup, é que seus pênis foram esculpidos de tal maneira que o órgão iria efetivamente desalojar o sêmen de competidores da vagina de sua parceira, num efeito bem sincronizado facilitado pelo 'sorvo' do empurrão dos quadris durante o intercurso. Especificamente, a saliência coronal oferece um serviço especial de remoção ao eliminar esperma estranho. Segundo essa análise, o efeito empurrão dos quadris seria puxar o esperma de outros homens para fora do colo do útero e trazê-lo de volta em torno da glande, recolhendo assim o sêmen depositado por um rival sexual."







Bem, o A. refere-se, ainda, a várias pesquisas que comprovaram tal teoria. E conclui, de forma bem humorada:






"Duvida desta interpretação? O que há de realmente  bonito na psicologia evolucionária - ou de mais frustrante, se você for um de seus muitos críticos - é que você não precisa acreditar que é verdade para isso funcione precisamente dessa maneira. A seleção natural não se importa muito caso você prefira uma explicação alternativa para a razão por que você fica tão excitado ao se reencontrar com sua parceira. Seu pênis executará sua tarefa de desalojar esperma da mesma maneira."





Ou seja: você até pode confiar na fidelidade de sua parceira, mas seu pênis foi programado para desconfiar sempre!

Voltaremos ao assunto.






(Fotos e desenhos da internet, sem indicação de autoria, com exceção da última figura, cujo autor é Achille Deveria)



Nenhum comentário: