segunda-feira, 5 de agosto de 2013

DISFORIA DE GÊNERO




(Jules Pascin)



Disforia, no dicionário, é uma perturbação mórbida. Gênero, refere-se à sexualidade. Ou seja, disforia de gênero é uma inadequação ao sexo com que se nasceu.




(A. não identificado)

Sim, estamos falando de transexualidade. Que, dita assim, com esse termo estranho, disforia de gênero, até parece doença, coisa ruim, desgraça. No entanto, uma grande parcela da humanidade nasce com esse tipo de inadequação: homens e mulheres presos no corpo errado. Homens que se sentem mulheres e mulheres que se sentem homens.


(Foto da internet, a. não identificado)


Tentei entender um pouco desse assunto, mas é vasto e complexo, como vasta e complexa é a própria humanidade. Um caso mais ou menos recente, no Brasil, foi o de Lea T, que já abordei neste blog (queira ver, por favor).

Há um blog bastante completo, escrito por uma transexual que procura responder a muitas perguntas a respeito desse assunto. Chama-se "Confissões Agridoces" e pode ser acessado neste link:


Dele retirei o artigo abaixo, que ilustro com desenhos de Raymond Bertrand:









Transfilia é o desejo, a valorização e a atração pela condição, os valores e o comportamento transexual e transgênero. Basicamente, manifesta-se como uma simpatia e uma vontade de adquirir ou manter amizade, relacionamento ou proximidade com pessoas trans.






A palavra provém da junção dos termos transexual (através dos sexos) +philos, afixo grego que significa amar, gostar. O termo oposto à transfilia é a transfobia.






A transfilia se manifesta de muitas maneiras, independentemente da orientação sexual da pessoa (heterossexual, homossexual, bissexual, assexual etc.). Uma parte dos transfílicos é formada por transexuais e transgêneros latentes, que de algum modo tencionam pertencer ao grupo, usar os códigos, as maneiras e viver como, mas não tiveram oportunidade ou possibilidade, seja por fatores externos (pressões da família e da sociedade), ou internos (pressão fomentada dentro de si mesmo). Outra parte é formada por pessoas que de alguma forma têm relação profissional, de amizade ou parentesco com o transgênero e/ou transexual e entende a sua condição.





Há ainda os homens que preferem relacionar-se com transexuais ou transgêneros, mesmo sendo bi ou heterossexuais e agindo como tal dentro do relacionamento. Nesse caso, a transfilia está relacionada ao fetiche de se relacionar com uma figura feminina que possui um pênis (travestis), ou uma mulher que já foi homem anatomicamente (transexuais MtF operadas e hormonizadas), ou ainda - no caso das mulheres heterossexuais - relacionar-se com um homem que já foi anatomicamente uma mulher (transexuais FtM mastectomizados e hormonizados).








Notas:

1. MtF: male to female (homem para mulher).

2. FtM: female to male (mulher para homem).


3. O blog não tem mais publicações. Está encerrado. Para navegar por ele, comece de baixo para cima, do primeiro para o último post.


Nenhum comentário: