segunda-feira, 26 de novembro de 2012

KANAMARA MATSURI









Todo primeiro domingo de abril, na cidade de Kawasaki, no Japão, você - seja homem ou mulher, e até criança - pode:

  • passar a mão em um pênis;
  • lamber e chupar um pênis;
  • abraçar um pênis;
  • montar em um pênis;
  • dançar com um pênis;
  • brincar com um pênis...





Sim, pode isso e muito mais. As fotos seguintes o comprovam.






Porém, calma: os pênis são todos símbolos fálicos de uma festa muito popular: o Kanamara Matsuri, um festival de fertilidade que acontece há muitos anos.





Dizem que tudo começou na Era Edo (1604-1868), em que as prostitutas faziam orações, pedindo prosperidade nos negócios e proteção das doenças sexualmente transmissíveis. Com o tempo, a celebração passou a atrair também visitantes que rezavam por filhos saudáveis e harmonia no casamento.





Mas, há também a versão de que um demônio com dentes afiados teria se escondido na vagina de uma jovem e castrado dois homens durante a noite de núpcias. Então, um ferreiro teria construído um falo de aço para quebrar os dentes do demônio. Daí o nome - Kanamara Matsuri - que significa "falo de aço".





A festa ganhou contornos turísticos e ficou famosa há cerca de quarenta anos, quando uma boate gay doou um andor com um pênis gigante cor-de-rosa, que virou ícone do evento.




As formas dos órgãos sexuais masculino e feminino podem ser vistas por toda parte, em ilustrações, doces, lembrancinhas e esculturas. Três pênis gigantes chamam a atenção do público. Dois deles - um negro e outro rosa - são carregados pelas ruas em pequenos andores carregados por homens vestidos de mulheres, acompanhados de muita música e dança.





Kazujiro Kimura, chefe da comissão organizadora do evento, explicou à BBC Brasil que o deus do templo de Kawasaki garante fertilidade e harmonia aos casais. "Antigamente, as prostitutas vinham até aqui para pedir também por proteção contra doenças sexualmente transmissíveis", conta.





Por isso, o festival serve também para fazer campanhas de prevenção à Aids. "Começamos a distribuir panfletos e camisinhas há seis anos", lembra Izumi Tamaki, responsável pelo departamento de saúde da cidade.





Enfim, uma "festa da fertilidade", nas melhores tradições dos povos mais antigos, que cultuavam o pênis como símbolo e esperança de boas colheitas, que atrai visitantes e estimula o turismo da região. 




E o pênis reina absoluto, podendo ser acariciado, abraçado, lambido e comido em forma de pirulitos e doces, apreciado por homens e mulheres de todas as idades.






(Fotos da internet, sem indicação de autoria)

Nenhum comentário: