segunda-feira, 9 de julho de 2012

DOGGING



(A. não identificado)

A sexualidade humana é múltipla, inconstante e, muitas vezes, surpreendente.

O dogging é uma prática sexual que - parece - surgiu no Reino Unido e se espalhou pelo mundo, principalmente pelas grandes cidades. Não é troca de casais, não é (apenas) voyeurismo, não é (apenas) exibicionismo, mas pode ser uma mistura de tudo isso. Com uma pitada a mais de emoção: o medo de ser surpreendido (pela polícia, principalmente).

O que é dogging?





É a prática de sexo ao ar livre, principalmente em logradouros públicos, ou seja, em ruas, praças, parques etc.

E tem suas regras muito claras, para minimizar o perigo. Que existe e é constante. Tanto no aspecto físico (risco de agressões), legal (sexo em público é considerado crime em quase todos os países) quanto no aspecto higiênico (risco de doenças sexualmente transmissíveis).






Primeiro, só há dogging quando pessoas que o praticam combinam lugar e hora. Isso ocorre por meio das redes sociais da internet, principalmente. E essas pessoas conhecem a etiqueta da prática. Ou seja: ninguém faz nada que não tenha sido permitido pelo outro, ou seja, respeito;  uso de preservativo, sempre; obediência a uma série de sinais de aproximação e permissão; e regras básicas de segurança.






Segundo, o dogging não tem por objetivo afrontar a sociedade, através de exibicionismos gratuitos. Não é dogging quando um casal resolve, privadamente, fazer sexo na rua ou num carro estacionado. Por isso, hora e locais são previamente combinados com uma comunidade, que pode constar de casais e pessoas solteiras. São, sim, exibicionistas e voyeurs, sempre, no entanto, dentro das regras estritas dessa prática. 




Se quiser detalhes sobre essa prática e, até mesmo dicas sobre locais (em São Paulo, principalmente) acesse o site indicado abaixo ou procure na internet sobre a sua cidade ou sobre comunidades nas redes sociais que lhe possam dar informações.




Há, também, no Youtube, um vídeo com uma reportagem do Roberto Cabrini, do SBT, sobre o dogging. Mas é bastante moralista e preconceituosa, mesmo (e principalmente) quando dá a palavra a "especialistas" das áreas de psicologia e direito. Além disso, mistura o dogging com outras práticas, como o voyeurismo e exibicionismo puros e o swing (troca de casais). Serve apenas como breve introdução ao tema.

Ah, sim: o que significa dogging?




A palavra, inglesa, signifca, em geral, "passeio que se faz com o cão (dog)". Denominou a prática de combinar fazer sexo em lugares públicos por razões que vão desde a ideia de que os cães são livres para isso, até a ideia de que levar o cão a passear pode ser o pretexto ou a desculpa para sua prática.




Enfim, dogging é só mais um aspecto da sexualidade humana. Nada tem de desvio de conduta, nem de afronta às leis (ainda que possa sua prática ser considerada "crime"; isso, se houver denúncia de vizinhos, por exemplo, ou o azar do aparecimento da polícia).






(Fotos da internet, sem indicação de autoria).

Nenhum comentário: