sexta-feira, 24 de junho de 2011

POEMA PROVOCADOR, DE MARIA REZENDE








Quem é Maria Rezende?

Pois, é: gosto de traçar um breve perfil de poetas que aqui publico. Mas, Maria Rezende... Fiquei em dúvida: o nome comum me confundiu, na pesquisa da net.

Achei algumas informações que ligam a autora ao poema: o perfil no Facebook (será?); o vídeo no Youtube (certeza!). Mas sua biografia me foge entre os dedos: parece que é atriz e mora no Rio de Janeiro; parece que lançou um livro, chamado BENDITA PALAVRA...

Enfim, quem souber algo mais da autora do texto abaixo (ou, quem sabe? – ela mesma!), entre em contato.

Agora, curtam o delicioso e provocador texto de Maria Rezende (e, se quiserem, ouçam-na declamar no Youtube, no endereço abaixo).


Adoro pau mole




(Autor não identificado)



Adoro pau mole.
Assim mesmo.
Não bebo mate
não gosto de água de coco
não ando de bicicleta
não vi ET
e a-d-o-r-o pau mole.


Adoro pau mole
pelo que ele expõe de vulnerável e pelo que encerra de possibilidade.


Adoro pau mole
porque tocar um pressupõe a existência de uma intimidade e uma liberdade
que eu prezo e quero, sempre.




(A. não identificado)


Porque ele é ícone do pós-sexo
(que é intrínseca e automaticamente
- ainda que talvez um pouco antecipadamente)
sempre um pré-sexo também.


Um pau mole é uma promessa de felicidade sussurrada baixinho ao pé do ouvido.


É dentro dele,
em toda a sua moleza sacudinte de massa de modelar,
que mora o pau duro e firme com que meu homem me come.



(Eugène Reunier)



 
http://www.youtube.com/watch?v=oxDrgN9NOu4



terça-feira, 21 de junho de 2011

TREZE POEMAS DE INVERNO E UMA CANÇÃO DE PRIMAVERA



Primeiro poema de inverno/Convite






vem, amor, pra debaixo do calor
de nossas cobertas; fica,
fica e acaricia minha pica
para que,  neste inverno
o teu gozo seja eterno



Segundo poema de inverno/Aquecimento


não amor eu quero contigo
fazer:
quero do teu umbigo
ao teu sexo
me
 escorrer
e
lábio com lábio
não na boca, imagina!
mas meu lábio
- mais sábio -
lá, em tua vagina!



Terceiro poema de inverno/Entrega


chupa, chupa por entre
as pregas de minha glande,
o calor que fica
em minha pica
 - e que se expande -
quando sai de teu ventre

enquanto minha língua
bem viva
usa muita saliva
para enrolar teu grelo
com teu próprio pelo





Quarto poema de inverno/Navegação



faz de teu corpo
o cais
onde quero
sempre mais
o lençol inunda
com todo o gozo
que escorre de tua bunda




Quinto poema de inverno/Farol


em cada espasmo
do teu corpo,
dá-me o teu orgasmo

não, não refreio
meu anseio
em teu seio
(fruto de ouro):
quero todo o veio
de teu tesouro



Sexto poema de inverno/Ilha



colho com a língua
     o gozo que vem lento
    e forte
  do fundo de teu corte


goza mais, amor, goza,
enquanto chupo o teu cravo:
se a língua tece a prosa,
faço versos como teu escravo





Sétimo poema de inverno/Praia


quero-te onda
para afogar-me em teu ventre
quero-te rio
para afundar-me em teu gozo
quero-te lago
para afugentar os meus temores


Oitavo poema de inverno/Navio


não sentes o frio que vem de fora porque aqui
bem quente há um pau que te devora


também não me arrepia o vento que bate à porta
tenho aqui dento o que me basta: o agasalho
da tua boca para aquecer o meu caralho



Nono poema de inverno/Náufragos




peço-te gozo e me dás
teus licores;
peço-te tesão e me dás
teus humores





Décimo poema de inverno/Balsa



no teu grelo esfregas
a minha vara
e te entregas
à sanha da minha tara


Undécimo poema de inverno/Horizonte



lambes de cima até em baixo
minha caceta,
enquanto me afogo lá em baixo
nos sucos de tua boceta


Duodécimo poema de inverno/Litoral




valquíra do orgasmo e da beleza,
cavalgas e não foges à luta:
dá-me, a mim, a certeza
de que cumpres no meu pau
tua doce vocação de puta



Décimo terceiro poema de inverno/Cais


exausto, desfalecida
te deixo:
a vara antes enlouquecida
é freixo
no meio do rio;
assim,
minha sanha e teu gozo
ao fim,
jogaram no fogo
este inverno tão frio


 A canção de primavera/Flores



tu sabes o que eu era,
eu sei o que tu desejas:
espera um pouco mais, espera,
prova do bolo todas as cerejas,
amansa aqui dentro a fera
embora cansada já estejas;
eu sei que te desespera
este inverno, mas que sejas
ainda um vez a quimera
de ilusões benfazejas,
antes que chegue a primavera.





Isaias Edson Sidney


(Ilustrações: Loïc Dubigeon)





sexta-feira, 17 de junho de 2011

FOTOS POLÊMICAS: A BELA DA TARDE AINDA PROVOCA


CATHERINE DENEUVE







Uma das mulheres mais belas e talentosas do cinema europeu. Se se desnudou várias vezes na telona, sua vida pessoal, no entanto, ficou quase sempre longe do alcance dos curiosos. Há uma biografia não-autorizada que revela ter sua família colaborado com os nazis, durante a guerra, o que, para os franceses, é sempre uma encrenca.



Sabemos que foi casada com o fotógrafo David Bailey entre 1965 e 1972 e a foto do casamento causou furor na época:









Envolveu-se, depois, com Marcelo Mastroiani, outro ícone do cinema, com quem tem uma filha, Chiara. Trabalhou, sempre, com grandes diretores, como Luís Buñuel e Roman Polanski. Agora, aos 68 anos, posa para revista gay francesa, Têtu, ao lado do modelo Johan Akan, totalmente à vontade.








sexta-feira, 3 de junho de 2011

NUDEZ: NA ILHA DO SOL, O EXEMPLO DE LUZ DE FUEGO


UMA HOMENAGEM: 

LUZ DEL FUEGO





Nasceu DORA VIVACQUA em Cachoeiro do Itapemirim, ES, em 21 de fevereiro de 1917. Passou à história como LUZ DEL FUEGO.


Adquiriu, ainda na infância, o gosto pelas serpentes, ao frequentar o serpentário do Instituto Exequiel Dias, em Belo Horizonte, para onde seu pai mudara com a família.








Em 1937, passa a viver no Rio de Janeiro, onde faz shows no teatro Follies, em Copacabana, apresentando-se com duas jiboias e dançando nua. Muda o nome para LUZ DEL FUEGO, marca de um batom argentino.


Na década de 50, dedica-se à causa naturista: funda o Partido Naturalista Brasileiro (PNB) e ganha do Ministério da Marinha a cessão de uma ilha para a criação de sua colônia de nudismo – a famosa ILHA DO SOL.




Regras da Ilha: nada de palavrões, bebidas ou sexo ao ar livre. E o principal: nada de roupas. Isso, é claro, causou escândalos e comentários de toda a imprensa, nacional e internacional, da época.


LUZ promovia bailes de carnaval em sua Ilha, que ficaram famosos, recebendo visitantes ilustres de todas as partes do mundo . Nadaram e desfilaram nuas por ali várias estrelas do cinema americano como Errol Flynn, Lana Turner, Ava Gardner, Tyrone Powel, César Romero, Glenn Ford, Brigitte Bardot e Steve MacQueen.





LUZ DEL FUEGO morreu assassinada no dia 19 de julho de 1967, vítima da vingança de Mozart Gaguinho, que ela empregara na ilha em outros tempos e demitira por desavenças. Mas o assassinato nunca ficou totalmente esclarecido.


LUZ DEL FUEGO: uma mulher muito à frente de seu tempo. Um ícone da liberdade e da luta contra a repressão sexual.

(Ilha do Sol)

Em 1982, Lucéllia Santos, dirigida por David Neves, reviveu a saga da diva do nudismo no Brasil, no filme LUZ DEL FUEGO.





(Lucélia Santos, no papel de Luz del Fuego)

Para saber sobre Luz del Fuego, visite estes sites:

http://www.territoriogoncalense.com/2009/02/localizada-no-interior-da-baia-de.html