terça-feira, 10 de maio de 2011

PRIAPEIA GREGA E LATINA - 4





PRIAPEIA LATINA – 2






Os gregos antigos, eruditos e metidos a besta, cultivavam o erotismo, em geral, e o homossexualismo, em particular, com filosofia, muita filosofia. Já os romanos, mais espertos e práticos, deixaram de lado a filosofia e mandaram ver. Isso eu li ou ouvi algures. Não se sei é verdade ou mito. De qualquer modo, os poemas da priapeia latina são bem mais safados. E assim como me diverti ao copiá-los para o blog, espero que, meus caros leitores e queridas leitoras, vocês também estejam se divertindo com o Priapo latino, no bom sentido, claro.



Mais alguns poemas, portanto, com ilustrações de Eugène le Poitevin (1806-1870):







Tu, que boa intenção não tens e a custo
vives com o que roubas dos pomares,
serás fodido por um pau enorme
e, se tão grave e incômodo castigo
não bastar, mais acima vou meter.






Na primeira, ladrão, vou te meter
no cu. Pego outra vez, vou pôr na boca.
E se teimares num terceiro furto,
para que sofras um castigo e outro,
terás teu cu fodido e tua boca.
3.




Se o duro deus observa algum rapaz
frisar com ferro quente os seus cabelos
p’ra se igualar às moças Mouras, diz:
“hei tu veado
(1), escuta-me: por mais
que enroles e que frises à vontade,
serás enfim ainda mais mulher,
pergunto, que o teu pau cheio de cachos
(2)?





(1) Veado: cineadus, chupadores, palavra de origem obscura, empregada na invectivas; designa, em Catulo,, o praticante da felação, o catamito.

(2) Interprete assim: “Serás ainda mais mulher do que o (teu) pau em que há cabelos (enrolados, isto é, os pêlos pubianos) que possui (normalmente, isto é, que são dele mesmo?).4.







Não vás dizer que não te dei aviso:
chegas roubando; partes arrombado.
5.








O que deixa molhada em mim a parte
que dá indícios de que sou Priapo
não é orvalho, crede, e nem geada,
mas o que sói por si sair de dentro
se a mente evoca alguma jovem puta.





(João Angelo Oliva Neto, Falo no Jardim – Priapeia Grega, Priapeia Latina; Ateliê Editorial; Editora da Unicamp, 2006).



Nenhum comentário: