terça-feira, 5 de outubro de 2010

GEORGES BRASSENS – A RELIGIOSA




(A. não identificado)



Georges Brassens (1921-1981), cantor e compositor popular francês, tem belas canções, consideradas muitas delas verdadeiros clássicos do cancioneiro mundial. Lembro LES COPINS D’ABORD (os amigos, primeiro), relacionada como uma das cem mais belas canções francesas. 


(A. não identificado)



A RELIGIOSA (de 1969) tem a seguinte estrofe, livremente traduzida abaixo, que eu aproveito como uma primeira homenagem à... bem, o mês é outubro, não? Deixa a homenagem pra lá e curta o pequeno e delicioso poema que é esta estrofe: 



La religieuse



(Félicien Rops)




"Il paraît que, dessous son gros habit de bure,
Elle porte coquettement des bas de soie,
Festons, frivolités, fanfreluches, guipures,
Enfin tout ce qu'il faut pour que le diable y soit.
Et les enfants de chœur ont des pensées impures...."




(La Religieuse - Georges Brassens)



Tradução: 


A religiosa




(Patrick Salète)




Parece que, debaixo de seu grosso hábito de burel,


Ela veste dengosamente meias de seda,


Bordados, enfeites, berloques, rendas,


Enfim tudo aquilo que é preciso para que o diabo faça a festa.

E os coroinhas têm pensamentos impuros...”







(Foto da internet, s/indicação de autoria)



Nenhum comentário: