segunda-feira, 23 de novembro de 2009

O SONETO DO OLHO DO CU






Duas histórias – literárias – da França



Em 1869, Albert Mérat, um poeta parnasiano, publicou um livro de sonetos chamado L’Idole (O ídolo), em que descreve poeticamente, em versos rebuscados, o corpo da amada. Há, então, sonetos para cada um dos membros: soneto dos olhos, da boca, dos dentes, do nariz, da orelha, dos seios, do ventre, das pernas, do pé etc. Um banquete de anatomia.




Por essa mesma época, reuniam-se Verlaine, Rimbaud, Coppée e outros simbolistas, ou anti-parnasianos, num grupo autodenominado “zutique” ou “zutiste”, termo usado para indicar desprezo, irritação com alguém. O objetivo desse grupo de poetas era ridicularizar os parnasianos e zombar de todos, até deles mesmos, com irreverência e bom humor.



Verlaine e Rimbaud (nem vou dizer que foram amantes, nem que eram homossexuais, isso é irrelevante) logo perceberam que faltava aos poemas de Mérat uma parte preciosa do corpo da amada: le cul (o cu).



Assim, resolveram cobrir essa lacuna (sem duplo sentido, por favor!) e fizeram, a quatro mãos (ou a quatro dedos, sei lá!), o SONETO DO OLHO DO CU. Com o objetivo claro de zombar de Mérat que ficou tão puto, que nem posou para o famoso quadro de Henri Fantin-Latour, Le coin de table (Canto de mesa). No seu lugar, há um vaso de flores. Note-se que Verlaine está à esquerda e que era mais velho que Rimbaud, o que não impediu... deixa pra lá, nada de fofocas!



"Coin de table" - Henri Fantin-Latour 
(da esquerda à direita, Paul Verlaine, Arthur Rimbaud, Elzeár Bonnier, Léon Valade, Émile Blémont, Jean Picard, Ernest d'Hervilly e Camille Pelletan)




Algumas observações sobre o poema, seu estilo e dificuldades de tradução:


1. Palavra “cul” não está explícita no poema, mas somente no título;




2. Quanto ao título, “Le trou du cul”, literalmente seria “o buraco do cu”; mas aceitei a tradução mais comum, para nós, de “o olho do cu”;





3. Segundo o próprio Verlaine, ele escreveu os quartetos e Rimbaud teria escrito os tercetos;





4. Esse poema, juntamente com os demais, que compunham um conjunto, só foi publicado quase três décadas depois;





5. O poema é complexo, cheio de metáforas sensoriais, com palavras até mesmo arcaicas ou eruditas, com rimas ricas e raras, denotando todo o virtuosismo característico dos dois poetas, o que dificulta bastante sua tradução;





6. O poema tem, pelo menos, quatro versões, apresentadas pelos próprios autores, mas as diferenças entre elas não são muito significativas;





7. O historiador Marcos Silva, doutor em História Social pela Universidade de São Paulo e professor de História dessa mesma Universidade, publicou um trabalho bastante interessante sobre esse poema, intitulado “Rir do corpo: paródia e riso num poema de Rimbaud e Verlaine”;





8. Informa-nos o professor Silva que, em 1991, José Celso Martinez Corrêa e Marcelo Drummond, do Grupo Oficina, traduziram esse poema e o incluíram na montagem da peça “As boas” (Les Bonnes), de Jean Genet, dando realce à face homoerótica do poema, numa recriação livre, sem rigidez de métrica e rimas. Essa tradução foi musicada e gravada por José Miguel Wisnik (você pode encontrar a gravação no youtube, claro).


(A. não identificado)


Eis o poema, no original, em uma de suas versões:



LE SONNET DU TROU DU COUL


Par Arthur Rimbaud et Paul Verlaine






Obscur et froncé comme un oeillet violet,
Il respire, humblement tapi parmi la mousse
Humide encor d'amour qui suit la fuite douce
Des Fesses blanches jusqu'au coeur de son ourlet.

Des filaments pareils à des larmes de lait
Ont pleuré, sous l'autan cruel qui les repousse
A travers de petits caillots de marne rousse,
Pour s'aller perdre où la pente les appelait.

Mon Rêve s'aboucha souvent à sa ventouse;
Mon âme, du coït matériel jalouse,
En fit son larmier fauve et son nid de sanglots.

C'est l'olive pâmée, et la flûte caline
C'est le tube où descend la céleste praline:
Chanaan féminin dans les moiteurs enclos!



A seguir, a tradução literal, de minha autoria, sem preocupação com rima, ritmo e sonoridades (apenas para que o leitor que não domine o francês saiba exatamente do que se trata):




O SONETO DO OLHO DO CU

Arthur Rimbaud e Paul Verlaine






Obscuro e plissado como um cravo roxo,
Ele respira, humildemente escondido no musgo
Ainda úmido de amor que desce pelas curvas suaves
Dos glúteos brancos até o coração de sua borda.


Filamentos semelhantes a lágrimas de leite
Choraram, sob a tempestade cruel que os expulsa
Por entre pequenos coágulos de argila vermelha,
Para se perder onde as encostas os chamava.


Meu sonho abocanhou muitas vezes sua ventosa (1);
Minha alma, do coito material ciumenta,
Ali fez seu lacrimal selvagem e seu ninho de soluços.


É o fruto encantado(2), e a flauta delicada
É o canal por onde se esvai a celestial pralina (3):
Canaã(4) feminino nas umidades encerrado(5)!







Notas:


(1) “Ventouse”, creio, tem, aí o significado de “orifício”, “abertura”e não, exatamente, “ventosa” (aparelho de sucção).

(2) Olive pâmée: “olive” é azeitona; já o adjetivo “pamée” é particípio do verbo “pâmer”, que é arcaico, e significa “cair em síncope”, “desmaiar” (tomado de uma emoção) “de amor”, “de felicidade”, “de desejo” etc. O adjetivo “pâmant” siginifica “algo que suscita admiração, encantamento”. Portanto, a expressão “olive pamé” é uma metáfora para algo, no caso, um fruto, extraordinário, admirável, que provoca êxtase.


(3) Pralina: amêndoa confeitada.


(4) Canaã: terra prometida, ideal ou idealizada, onde os rios vertem mel e azeite.


(5) Observe que, neste último terceto, o poeta retoma as “umidades”(metáforas tácteis) da primeira estrofe, ao mesmo tempo que se refere, como na lenda bíblica, a rios de mel e azeite, em metáforas sonoras (flauta), olfativas, visuais e gustativas (pralina). O poema, em francês, quase impossível de ser traduzido, é uma cornucópia de elementos sensoriais.







Há várias versões desse poema, para inúmeras línguas. Como curiosidade, uma das versões em inglês, por Oliver Bernard (Collected Poems, 1962):




SONNET TO AN ASSHOLE





Dark and wrinkled like a purple pink
It breathes, nestling humbly among the still-damp
Froth of love that follows the gentle slope
Of the white buttocks to its crater's edge.


Filaments like tears of milk

Have wept in the cruel wind which pushes them back,
Across little clots of reddish marl
To lose themselves where the slope called them.

My dream has often kissed its opening;

My soul, jealous of physical coitus,
Has made this its fawn-coloured tear-bottle and its nest of sobs.

It is the rapturous olive and the wheedling flute,

The tube from which the heavenly burnt almond falls:
Feminine Canaan enclosed among moistures.


E, com vocês, duas versões (ou recriações) em português:





SONETO DO OLHO DO CU






Obscuro e franzido como um cravo roxo,

Humilde ele respira escondido na espuma,
Úmido ainda do amor que pelas curvas suaves
Dos glúteos brancos desce à orla de sua auréola.

Uns filamentos, como lágrimas de leite,

Choraram, ao vento inclemente que os expulsa,
Passando por calhaus de uma argila vermelha,
Para escorrer, por fim, ao longo das encostas.

Muita vez minha boca uniu-se a essa ventosa;

Sem poder ter o coito material, minha alma
Fez dele um lacrimário, um ninho de soluços.

Ele é tonta azeitona, a flauta carinhosa,

Tudo por onde desce a divina pralina,
Canãa feminino que eclode na umidade.


(Para ser caluniado – Poemas Eróticos, tradução de Heoloísa Jahn)





SONETO DO OLHO DO CU






Obscuro e pregueado cravo violeta
Respira, humildemente no meio da espuma
Inda úmida de amor que em doce encosta ruma
Da brancura da bunda à beirada da meta.

Filamentos tais como lágrimas de leite
Choraram, sob o vento cruel que os repele,
Através de coágulos de barro em pele,
P’ra se perder depois onde a encosta os deite.

Mi’a boca se ajustou muita vez à ventosa
Minh’alma, do coito material invejosa,
Fez ali lacrimal e de soluços ninho.

Azeitona em desmaio e taça carinhosa
O tubo onde desce celeste noz gostosa
Canaã feminino em suor muradinho!



(Tadução de Marcos Silva)





(Foto da internet, sem indicação de autoria)




Obscuro e franzido como um cravo roxo,
Humilde ele respira escondido na espuma,
Úmido ainda do amor que pelas curvas suaves
Dos glúteos brancos desce à orla de sua auréola.

Uns filamentos como lágrimas de leite,
Choraram ao vento inclemente que os expulsa,
Passando por calhaus de uma argila vermelha,
Para escorrer por fim ao longo das encostas.

Muita vez minha boca uniu-se a esta ventosa,
Sem poder ter o coito material, minha alma
Fez dele um lacrimário, um ninho de soluços.

Ele é a tonta azeitona, a flauta carinhosa,
Tubo por onde desce a divina pralina,
Canaã feminino que eclode na umidade.

(Tradução do Zé Celso e do Marcello Drummond, cantada pelo Wisnik)





Bem, aí está, portanto, o resgate em termos poéticos de uma parte do corpo humano que os humanos em geral consideram sujo e indigno de menção, a não ser em situações de extrema irritação, quando emerge das bocas menos insuspeitas o famoso “vá tomar no cu”. Verlaine e Rimbaud, dois dos maiores poetas de todos os tempos, provam que o ser humano, essa maravilha ainda imperfeita de milhares de anos de evolução, não pode ter preconceitos em relação a seu próprio corpo, nem o poeta (ou escritor) preconceitos ou medos em relação às palavras. Nada é sujo, nada é sagrado: tudo é natural.







Ilustrações dos sonetos: kamasutra gay, autoria desconhecida.
Fotos da internet, sem indicação de autoria.






Um comentário:

Ana Átman disse...

Um verdadeiro tratado. Muito elucidativo.