quinta-feira, 8 de outubro de 2009

QUEM TEVE MEDO DE ALCIDES CAMINHA?







Dito assim – Alcides Caminha – talvez quase ninguém associe o nome aos famosos “catecismos” que burlavam o moralismo das décadas de 60, 70...



Se falarmos em CARLOS ZÉFIRO, no entanto, muita gente se lembrará com prazer das revistinhas de sacanagem que ensinou sexo a toda uma geração, que teria sido muito menos feliz na cama, sem ele.





Porque, esse sim, não se podia ir pra cama sem ele, naquela época em que sexo era assunto de polícia, sob o comando da ditadura que não admitia nenhuma outra coisa dura no País, mesmo que fosse em particular, no escondido de banheiros, onde a molecada ia desfrutar das histórias e dos desenhos quase naïfs de Carlos Zéfiro.






Suas revistinhas ficaram conhecidas, principalmente em São Paulo, por “catecismos”, porque, ironicamente, eram vendidas nas bancas disfarçadas de material religioso. Um belo drible no antissexualismo do Vaticano.





As historinhas eram bastante simples, como sói ser o bom erotismo. O enredo tratava de traições, de mulheres solitárias, de aventuras inesperadas, mas sempre com personagens que acabam indo para a cama e gozavam, gozavam muito, um sexo sem culpa, com ou sem amor. O desenho de Zéfiro também não era sofisticado, mas minimalista e direto.



Um dado interessante de sua biografia: sua identidade permaneceu secreta quase até a data de sua morte, em 1992, quando algum engraçadinho tentou se passar por ele, em entrevistas para jornais e revistas. Teve uma vida absolutamente simples, como funcionário público e pai de família. Nenhum traço de tara ou de desvio de conduta, como podia parecer a quem lia suas historinhas picantes.






Enfim, deixemos aqui uma homenagem a um desenhista e escritor que muito contribuiu para a história da sexualidade no Brasil, desempenhando um papel que, hoje, é considerado como o de um educador, mas que foi por muito tempo procurado pela polícia, tendo suas revistinhas muitas vezes confiscadas em bancas de jornais.



Moralismo e moralistas: descansem em paz!






Nenhum comentário: