segunda-feira, 19 de outubro de 2009

A POETA BRUNA LOMBARDI




Não posso negar: sempre admirei a beleza mignonne de Bruna Lombardi, o sex-apeal de Bruna Lombardi. 

E a cabeleira loira de Bruna Lombardi?


Bruna: mulher e atriz. Não sei se mais mulher ou mais atriz. Sempre gostei dela, no entanto.



O tempo passa. As pessoas passam. Bruna já não é jovem. Continua bela, continua mignonne, com sua cabeleira loira. Agora, talvez, mais mulher. Agora, talvez, mais atriz.



E descubro que, naquela mulher bela há também uma bela poeta. Fiquei ainda mais fã. Por isso, deixo com vocês, leitoras e leitores desse blog meio sem eira nem beira, um pequeno e delicioso poema de Bruna Lombardi, ilustrado por ela mesma (quem mais?):





Uma mulher







Uma mulher caminha nua pelo quarto

é lenta como a luz daquela estrela
é tão secreta uma mulher que ao vê-la
nua no quarto pouco se sabe dela

a cor da pele, dos pelos, o cabelo

o modo de pisar, algumas marcas
a curva arredondada de suas ancas
a parte onde a carne é mais branca

uma mulher é feita de mistérios

tudo se esconde: os sonhos, as axilas,
a vagina
ela envelhece e esconde uma menina
que permanece onde ela está agora

o homem que descobre uma mulher

será sempre o primeiro a ver a aurora.





Nenhum comentário: