quarta-feira, 30 de setembro de 2009

MULHER É FODA!




(A. não identificado)


Tínhamos, eu e alguns amigos, nossos dezesseis, dezessete anos. Interior de Minas. Atraso. Principalmente sexual. Curiosos, líamos muitos livros de inciação. Até palestras, de vez em quando, nos proporcionava o Colégio onde estudávamos. Palestras mescladas com o conservadorismo ferrenho da santa madre igreja católica apostólica romana. Sexo e pecado andavam juntos.



(Gloria Pizzili)

O corpo, porém, com sua natureza febril, falava mais alto. Ou melhor, exigia. A língua é que falava. E muito. Sobre sexo, claro. O pecado, àquela altura, já havia sido exorcizado: não mais acreditávamos nas baboseiras dos padres. Mesmo assim, o sexo era difícil, quase impossível: só a zona do meretrício proporcionaria alívio. Éramos menores, no entanto, menores e... (o que era pior) duros! Como nossos sexos dentro de nossas calças.

Uma vez, sei lá como, sei lá por que, numa dessas conversas de moleques sobre sexo, de interrogações e dúvidas, chegamos à conclusão de que as mulheres deveriam ter muito mais prazer com o sexo do que os homens, por sua anatomia e por uma série de outras possiblilidades e probabilidades que aventamos e achamos que descobríramos.



(Gloria Pizzili)

Só me lembro que era uma teoria (apenas teoria: helàs!) complicada, talvez prolixa. Mas a conclusão era óbvia, para nós, naquele momento meio mágico, quando mal ainda descobríamos o outro sexo: as mulheres deviam gozar mais que os homens. Ponto.

O tempora!


(Gloria Pizzili)


Pois, é: o tempo passou. E agora, ao ler (e traduzir) o texto da escritora francesa Agnès Giard, que eu publiquei no post anterior deste blog, constato que ela, através da análise de dois livros de autores diferentes, chega à mesma conclusão. Ou seja, a mulher tem dois tipos de gozos: o vaginal e o clitoridiano.

Mulher não apenas goza, mas também tem orgasmos!

Dois gozos num só ato e suas adjacências ou manobras!



(Gloria Pizzili)


Os moleques bobos de tantos anos atrás já haviam intuído algo que os estudiosos agora dão a conhecimento! Mesmo assim, eu passei a vida toda tentando entender as mulheres, sem nem me lembrar mais de que, um dia, ainda moleque insipiente e incipiente, descobrira que elas gozam, sim, mais, muito mais, do que os homens. Porque elas podem, quando fodem ou, até mesmo, quando não fodem!

Mulher é mesmo foda! Muito foda!



(Klimt)

Um comentário:

Escrevendo na Pele disse...

Que texto maravilhoso! Que descoberta! Hahahahaha, quer dizer que mulher é foda sem ou com ela? Uma delícia mesmo, e como sou mulher e toda "fodada" no bom sentido da foda, quando o gozo faz aquela onda gostosa, os bicos arrepiam e a contração lá embaixo é forte, logo depois, mas bem logo mesmo, a vontade do gozo é enorme e acaso o parceiro ainda em riste, a gente aproveita. Hehehehe que delicioso!