domingo, 30 de agosto de 2009

MANUAL DE BOAS MANEIRAS... - COM O AMANTE DE SUA MÃE




Avec l’amant de votre mère



- Quand une petite fille a deviné quel est le bon ami de sa maman, elle ne doit, sous aucun prétexte, aller le dire à son papa.



- Ne désignez jamais à l’amant de votre mère une jeune fille qui se branle pour lui, surtout si cette jeune fille, c’est vous.



- Si l’amant arrive en avance et que madame votre mère vous prie de faire attendre, faites-le bander, mais ne le sucez pas.



- Elle ne doit pas non plus, à l’heure où sa mère revient du rendez-vous, lui demander si c’était bon, combien de fois elle l’a fait, si le monsieur bandait bien, etc. Ces questions ne mériteraient que le fouet.



- Il lui est également interdit de prendre à part le bien-aimé pour lui demander : «Déchargez vous dedans ? Est-elle bien cochonne ? Suce-t-elle gentiment ? Avale-t-elle le foutre ? Se fait-elle enculer ? », etc. Ni surtout pour lui dire : « Papa a baisé maman la nuit dernière. C’est la bonne qui me l’a dit. » Cette information ne serait pas accueillie avec plaisir.



- Si vous savez que votre mère attend son amant chez elle, ne vous cachez pas sous le lit, surtout pour sortir en faisant : «Boum ! C’est moi ! » pendant qu’on jouit dans sa bouche. Vous seriez capable de la faire étrangler. Ne choisissez pas non plus cet instant pour entrer brusquement dans la chambre en criant : « Voilà papa ! » lorsque vous savez très bien que monsieur votre père est en voyage.



- Si monsieur votre père est absent pour six mois ou un an, ne vous hasardez pas, un jour d’adultère, à cacher l’injecteur de votre maman, de telle sorte qu’elle s’en aperçoive trop tard. Les plus graves conséquences pourraient s’ensuivre, et la farce ne serait pas goûtée.



- Si vous découvrez que vous êtes la fille de l’amant et non du mari, n’appelez pas ce

monsieur «papa» devant vingt-cinq personnes. C’est le mari de votre mère que vous devez appeler papa. Et même si vous êtes certaine de ne pas lui être unie par les liens du sang, ne lui dites pas à l’oreille : «Je peux bien te sucer, tu n’es pas mon père ! » La fin de la phrase détruirait tout ce que les premiers mots auraient de vraiment
aimable.


- Si une visite se présente quand votre mère fait l’amour et si l’on vous charge d’aller répondre : «Maman est souffrante», ne donnez pas de détails sur sa maladie. Si l’on vous demande : «Qu’est-ce qu’elle a? », ne répondez pas : «Une pine dans le cul. »






Com o amante de sua mãe


- Quando uma menina advinha quem é o amante de sua mãe, não deve, sob nenhum pretexto, ir correndo dizer ao papai.



- Não revele nunca ao amante de sua mãe que uma menina se masturba por ele, principalmente se essa menina for você.



- Se o amante chega mais cedo e a senhora sua mãe lhe pede para recebê-lo, faça-o ficar de pau duro, mas não o chupe.



- Não se deve de forma alguma, na hora em que sua mãe chega de um encontro, perguntar-lhe se foi bom, quantas vezes ele fez, se ele não broxou etc. Essas questões não merecem nenhum comentário.



- Também está proibido chamar de lado o amante predileto para lhe perguntar: “Você gozou dentro? Ela é bem sem-vergonha? Ela o chupa gentilmente? Ela engola a sua porra? Ela se deixa enrabar?” etc. Nem para dizer, principalmente: “Papai fodeu mamãe na última noite. Foi a empregada quem me contou”. Essa informação não será recebida com satisfação.



-Se você ficou sabendo que sua mãe espera o amante em sua própria casa, não se esconda sob a cama, principalmente para sair gritando: “Buuu! Sou eu!” durante uma esporrada na boca. Você seria capaz de fazê-la engasgar. Também não escolha de forma alguma esse instante para entrar de repente no quarto, gritando: “Papai chegou!”, quando você sabe muito bem que o senhor seu pai viajou.



- Se o senhor seu pai se ausentou por seis meses ou um ano, não se arrisque, num dia de adultério, a esconder o clister de sua mãe, de tal sorte que ela o perceba muito tarde. As mais graves consequências poderiam se seguir, e a brincadeira não será apreciada.



- Se você descobrir que é filha do amante e não do marido, não chame esse senhor de “papai” diante de vinte e cinco pessoas. É ao marido de sua mãe que você deve chamar de papai. E mesmo que você tenha certeza de não lhe ser unida pelos laços do sangue, não lhe diga na orelha: “Eu posso chupá-lo, você não é meu pai!” O final da frase destruirá tudo aquilo que as primeiras palavras tinham de verdadeiramente amável.



- Se chega uma visita enquanto sua mãe faz amor e lhe encarregaram de responder: “Mamãe está doente”, não dê detalhes de sua doença. Se lhe perguntarem o que ela tem, não responda: “Um pau no cu”.









Um comentário:

Escrevendo na Pele disse...

Por partes, ok?

Lógico que não. Sairia gritando aos quatro ventos para a família do papai.

Não revelaria, mas faria em sua frente para provar o fato verossímil.

Apenas encostaria a língua em sua glande. Só isso.

Perguntaria tudo, sim. Tim, tim, por tim, tim, ora essa! É o meu dever de filha, né?

Papai chegooooouuuuuuu! Gritaria na hora do pau entalado no cu.

O chamaria de paizinho querido e logo em seguida mostraria a língua babadíssima por ele. Acho que é o mínimo, né? Seu desnaturado!

Pau no cu não... (coisa muito normal) Mamãe está deveras doente, pobrezinha. Entalou-se com o pau no olho do cu e o vibrador está movimentando a sua buceta e dando choques.