sexta-feira, 31 de julho de 2009

A LÍNGUA, AH! A LÍNGUA






Adverte-me, por e-mail, uma amiga: “como mulher, tenho propriedade pra dizer que a língua é o órgão mais erógeno que há. Tanto a que bem fala e sabe o que diz, quanto a que se movimenta bebendo o que há de bom no corpo!”



Sem dúvida, penso, quanto somos os homens deseducados para o sexo! Crescemos na idiotice da macheza a qualquer preço, no pensamento de que o coito é só penetração, gozo e sono. Quanto tempo perdido para as sutilezas que, sim, a língua pode nos dar!


E sutilezas que começam não exatamente na cama, mas na conversa gostosa, no entendimento da pareceria, na busca do que gosta o outro, com palavras que penetram como chuvas de verão pelos ouvidos e vão umedecendo pouco a pouco a terra, derretendo-a por dentro, para liberar, enfim, a libido.






E, depois, no beijo. No contato com a pele, dentro da orelha, no pescoço, no corpo todo, até o ponto culminante do encontro entre a saliva e os líquenes do orgasmo.



A língua, sim, a língua tem kamasutras próprios, associados ao cheiro, ao sabor, à pele com pele, a espasmos inauditos. Não apenas coadjuva o ato, mas pode até mesmo substituí-lo em momentos oportunos, como prova não só de amor, mas de profundo envolvimento com o ato de descobrir a libido de quem compartilha conosco o seu corpo e a sua emoção.




Por isso, acho, tanta acolhida aos meus poemetos da série EROSKAI.

E que aprendamos todos a compartilhar esse órgão magnífico em sua carga erógena, para falar tanto palavras de agradável teor erótico quanto para incendiar o “prazer da minha carne, agora percebendo a sua”, quando “gozo, gozo muito na língua”, nas palavras da amiga do “Escrevendo na pele” – na pele nua, de quebrada lua em momentos de prazer.






2 comentários:

Escrevendo na Pele disse...

Deixo que a pomba pouse
majestosa e alada
sem pejo ou vergonha

movimentando delicada
fazendo ondas sorrateiras
com os quadris de huris
na língua navalhada

Moacy Cirne disse...

Meu caro,
de blogue em blogue cheguei aqui,
e tanto gostei
que já sapequei um de seus
poemas eróticos no Balaio Porreta.
Com os devidos créditos, claro.
Aliás,
também gostei bastante se seu
blogue sobre futebol;
E como um tricolor apaixonado,
sou de igual modo contra toda e
qualquer espécie de violência no esporte.
Um abraço.