quarta-feira, 13 de agosto de 2008

LOVE ME PLEASE, LOVE ME




(Toni d'Agostinho, para Lua Quebrada)



... e foi a primeira vez em que vi Fabiana chorando, e aquela música ficou sendo uma espécie de sinal entre nós, quando ela chegava meio chateada por algum motivo, eu sabia que ela queria ouvir aquele disco e eu respeitava o seu silêncio e nós apenas nos abraçávamos e no beijávamos durante um tempo, até que tudo voltava ao normal e a tarde transcorria lenta e suave, com um sexo sereno e gostoso como se fôssemos um casal em lua de mel e o gozo apenas conseqüência de uma ternura há muito reprimida e agora transbordando num rio calmo de amor e carinho.” (Lua Quebrada).

Esta a letra da música de Fabiana:



Love me, Please Love me


(Michel Polnareff)


Love me, please love me,
Je suis fou de vous!
Pourquoi vous moquez-vous chaque jour
De mon pauvre amour?
Love me, please love me,
Je suis fou de vous!
Vraiment prenez-vous tant de plaisir
À me voir souffrir.
Si j'en crois votre silence,
Vos yeux plein d'ennui,
Nul espoir ne m'est permis
Pourtant je veux jouer ma chance.
Même si même si
Je devais y bruler ma vie
Love me, please love me,
Je suis fou de vous!
Mais vous vous moquerez, vous toujours,
De mon pauvre amour.
Devant tant d'indifferénce,
Parfois j'ai envie
De me fondre dans la nuit.
Au matin je reprends confiance
Je me dis, je me dis:
Tout pourrais changer aujourd'hui.
Love me, please love me,
Je suis fou de vous!
Pourtant votre lointaine froideur
Déchire mon coeur
Love me, please love me,
Je suis fou de vous!
Mais vous vous moquerez-vous toujours
De mes larmes d'amour


TRADUÇÃO:


Ama-me, ama-me por favor,
Sou louco por ti!
Por que debochas de meu pobre amor
A cada dia?Ama-me, por favor, ama-me,
Sou louco por ti!
Na verdade, sentes muito prazer
Vendo-me sofrer.
Acreditando em teu silêncio,
Nos teus olhos cheios de tédio,
Nenhuma esperança me é permitida.
Mesmo assim, mesmo assim quero tentar,

Ainda que
Eu deva com isso queimar minha vida.
Ama-me, por favor ama-me,
Sou louco por ti,
Mas sempre zombarás
De meu pobre amor...]
Diante de tamanha indiferença
Tenho vontade, às vezes,
De fundir-me na noite.
Ao amanhecer, recuperaria a esperança
E me diria, me diria:
Hoje tudo poderá mudar.
Ama-me, por favor, ama-me,
Sou louco por ti!
Tua longínqua frieza, contudo,
Despedaça meu coração.
Ama-me, por favor, ama-me,
Sou louco por ti!
Mas tu, tu zombarás sempre
De minhas lágrimas de amor.


Nenhum comentário: