segunda-feira, 23 de janeiro de 2017

VESTIDO, EU SOU ASSIM; MAS PELADO... NOVAMENTE OS HOMENS




Em março de 2014, quando publiquei a primeira série de “antes e depois” com homens, tive dificuldades de encontrar fotos, boas fotos. Mais de dois anos depois, volto à brincadeira. E agora, com uma série bem mais interessante de fotos, já que os homens parece que se desinibiram e se deixaram fotografar pelados, sem os problemas de estarem sempre se mostrando com pênis em estado de ereção, ou seja, com o pau duro, para mostrar que são machos. Já sabemos que o tamanho do pau, quando em estado de repouso, não tem relação direta com o seu tamanho em estado de ereção. É só ver as matérias publicadas, aqui mesmo, nesta LUA QUEBRADA, sobre as rubricas “pênis grower” e “pênis shower”. Então, divirtam-se (porque de deliciosa diversão se trata), todos aqueles que, ao verem um homem vestido, ficam imaginando, por qualquer motivo, como seria ele pelado.



















(Fotos da internet, sem indicação de autoria)



segunda-feira, 16 de janeiro de 2017

CUNILÍNGUA: A PALAVRA E O ATO – 1


(Pompeia - desenho da Terma Suburbana)

Em tempos de internet, vamos à Wikipedia:

(Alex Varenne )

“Cunilíngua (cunnilingus), é um ato de sexo oral realizado em uma mulher. Ela envolve o uso da boca, lábios e língua de um parceiro sexual para estimular o clítoris da mulher ou outras partes da vulva ou vagina. O clitóris é a zona erógena sexualmente mais sensível na maioria das mulheres, a estimulação dos quais podem resultar na produção de sensações eróticas ou excitação sexual. Estimulação clitoriana oral pode resultar em um ou mais orgasmos.
(Autor não identificado)

Embora a pessoa que recebe a cunilíngua deve ser do sexo feminino, seu parceiro sexual pode ser de ambos os sexos. Leis de algumas jurisdições consideram cunilíngua como sexo com penetração para fins de ofensas sexuais, mas nenhuma lei proíbe a prática em si, como no caso de sexo anal ou sexo extraconjugal.

(Apollonia Saintclair) 

A palavra cunilíngua é derivada da junção dos termos latinos cunna (vagina) e lingus (língua).

(Autor não identificado)

Não necessita de lubrificação vaginal para ser praticado, pois a saliva servirá como lubrificante. O clitóris é sem dúvida a parte mais sensível de todo o corpo feminino, e é nele que a cunilíngua tem seu foco, com movimentos constantes e com pouca pressão, por se tratar de um órgão delicado. 

(Bertrand Hugonnar)

Os movimentos executados na cunilíngua podem ser qualquer um, seja a estimulação apenas com a ponta da língua, com a língua inteira (como lambendo um sorvete), com os lábios, delicadamente chupando e/ou beijando o clitóris, e em alguns casos, passando os dentes levemente.”

(China - arte erótica antiga)

Dito isso, vamos a algumas novidades na nobre arte de chupar uma boceta/buceta, já que, segundo algumas pesquisas (que deverão aparecer em textos posteriores) há ainda muitos homens, principalmente, avessos à ideia de se dar e dar à sua companheira esse prazer. Muitos preconceitos precisam ser vencidos, para que o sexo oral não seja estigmatizado como coisa “suja” ou pouco recomendável.

(Claire Milbrath)

Como toda prática sexual, há necessidade, é claro, de alguns cuidados, como higiene e confiança mútua. Nada, porém, que impeça o desempenho e traga o prazer supremo – que ainda não sei se é maior para quem chupa ou para quem é chupado. Decida você, leitor ou leitora, acompanhando alguns textos que publicaremos sobre o assunto. 

(Rodzo)

E o primeiro é bastante surpreendente, como vocês poderão constatar (as fotos são da internet e não têm autoria indicada):



CHUPAR BUCETA ALÉM DE BOM, 

FAZ BEM A SAÚDE!


É isso mesmo, chupar buceta de uma mulher, além de fazê-la feliz e provavelmente causar uma ótima recompensa pra você, faz bem à saúde.


Um estudo realizado por pesquisadores da State University of New York monitorou os hábitos sexuais de mais de 150 casais – héteros e lésbicos – e os dividiram em dois grupos: um deles deveria praticar sexo oral com intensidade na mulher e ao outro que essa prática fosse limitada.


Analisando os resultados, os pesquisadores concluíram que houve diferença nos níveis de estresse, ansiedade, qualidade de sono e de intimidade do casal. Claro que os casais em que ocorria sexo oral na mulher com intensidade foram os que obtiveram os melhores resultados.


Esse fato ocorre devido à liberação dos hormônios ocitocina e DHEA, que agem contra doenças como o câncer e outras relacionadas a problemas do coração. Além das propriedades sedativas da ocitocina, que auxiliam no sono.


O contrário também é verdade: há alguns anos, outra pesquisa revelou que o sêmen ajuda a combater a depressão em mulheres, entre outras vantagens.


Então, todo mundo cai de boca no parceiro e todos ficam felizes e saudáveis.



Fontes:





segunda-feira, 9 de janeiro de 2017

NUDEZ DE PESSOAS COMUNS: O “ANTES E DEPOIS” DE JAPONESINHAS LINDAS, RECATADAS E... DO LAR?


O fascínio das fotos está na escolha das modelos: todas japonesas com aparência da vizinha do lado (no Japão ou, por que não, nos vários bairros japoneses de São Paulo), praticamente na mesma pose e no mesmo cenário. Cenário que, na sua simplicidade, sugere o recato do lar. Claro, são todas, agora, do lar, do lar de quem as contempla e com elas se extasia e sonha. O site de onde tirei as fotos abaixo tem mais cem moças. Usei critérios rígidos para escolher algumas, devo dizer, ou seja, usei o rígido critério do aleatório (“mamãe mandou escolher esta daqui”). Aliás, só uma, a última da sequência, é que foi realmente “escolhida” (pena que não a dedo), pois era a única cujo púbis não estava coberto de pelos. Observem que poucas são as que, pelo menos, tratam os pelos pubianos ou os aparam um pouco. Parece que a norma de bocetas lisas ainda não pegou no Japão, não sei se feliz ou infelizmente. De qualquer forma, divirtam-se com as japonesinhas recatadas e... do que vocês quiserem: 

























Fonte: